Síndrome do Estresse Tibial Medial (CANELITE)

1 de agosto de 2016

ANATOMIA DA PERNA

Para entendermos melhor o assunto é necessário fazermos uma pequena menção sobre a anatomia dos membros inferiores, ou seja, das pernas.
O membro inferior é dividido em coxa e perna (canela), sendo que na coxa está localizado um único osso, chamado de fêmur, enquanto que a perna (porção abaixo do joelho) é composta por dois ossos, a tíbia e a fíbula.

 

Anatomia da perna

1. Anatomia da perna

 

 

O QUE É CANELITE?

A síndrome do estresse tibial medial, popularmente conhecida como canelite, é uma inflamação do osso tíbia e do tecido que o envolve, chamado periósteo.

Área dolorida

2. Área dolorida

 

Periósteo

3. Periósteo

 

A causa da inflamação pode estar ligada a diversos fatores: a ineficiência de alguns músculos da perna em absorver os impactos do pé com o solo; o treino intensivo de modalidades esportivas de movimentos repetitivos das pernas e pés; sobrepeso (que aumentará a carga sobre as pernas); e o formato do pé e tipo de pisada, que podem favorecer um desalinhamento articular dos pés, tornozelos, joelhos e quadris. Tudo isso contribui para que haja uma tração excessiva do músculo junto ao periósteo e, consequentemente, a inflamação.

 

PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS DA CANELITE

Os casos de canelite apresentam dores na região anterior e/ou medial na perna, podendo apresentar irritabilidade ao toque e a impactos com o solo, como antes e depois de uma caminhada ou corrida. A dor normalmente é maior no início e no final do treino, porque logo que o corpo esquenta e o fluxo sanguíneo aumenta, a dor tende a passar. No entanto, ao passar algum tempo, o acúmulo de sobrecarga na canela leva a uma dor bem intensa. O paciente normalmente também apresenta:

  • Dor na musculatura da panturrilha;
  • Vermelhidão e aumento de temperatura no local;
  • Dor na palpação da tíbia.

Nos casos mais graves, a dor pode estar presente mesmo em repouso e o paciente pode apresentar uma fratura por stress da tíbia.

 

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico desta síndrome é feito através do relato do paciente, da avaliação física e através de exames como a tomografia e a ressonância magnética, que poderão detectar principalmente em qual estágio se encontra a lesão.

 

Como a palmilha pés Sem dor atua na canelite?

A palmilha Pés Sem Dor tem o poder de corrigir os desalinhamentos, como a pronação excessiva (por meio de uma cunha interna), melhorando muito o amortecimento da carga. Além disso, tem um suporte do arco que não vai permitir a adaptação de diferentes tipos de pés ao calçado e ao solo, impedindo que ele desabe rapidamente durante atividades de impacto, melhorando a absorção.a sobrecarga sobre os músculos e ossos do pé e da perna.

 

Palmilha Pés Sem Dor

4. Palmilha Pés Sem Dor