LiveZilla Live Help

Crianças com “pigeon toes” (dedos de pombo)

Outra alteração que pode ser comumente vista em crianças no início do desenvolvimento é o chamado “pigeon toes”, ou dedo de pombo, que é quando uma criança tem os dedos dos pés apontando para dentro em vez de frente, isso acontece devido a variações normais na forma como as pernas e os pés se alinham conforme a criança se desenvolve.

A característica dos “pigeon toes” é normal nos bebês porque a deformidade advém da maneira em que a criança fica posicionada dentro do útero da mãe no período de gestação.

Mais especificamente, esta condição é mais comum em crianças menores de dois anos de idade e, quando sua causa não é resultado de fraqueza muscular simples, normalmente decorre de condições subjacentes, como um osso de canela retorcido ou uma anteversão excessiva resultando na torção do osso da coxa quando a parte da frente do pé de uma pessoa é virada.

Essa condição pode ocorrer em um ou em ambos os pés, e podem surgir devido a uma variedade de motivos. Ela não costuma ser motivo de dores e nem de aparecimento de outras patologias, em alguns casos podem ser considerados até como benéfico, na prática de corridas por exemplo.

Os “dedos de pombo” tendem a correr pela família, ou seja, o problema está relacionado a hereditariedade, um parente que teve essa condição durante a infância pode passar para seus familiares durante as gerações.
 

Pés normais e pés "Pigeon Toes".

Pés normais e pés “Pigeon Toes”.

CAUSAS DO “DEDO DE POMBO”

Como dito anteriormente os “pigeon toes” são decorrentes da posição natural do bebê durante o período da gestação, e, por isso, com o tempo voltam à posição normal. Porém existem casos mais sérios em que a deformidade não melhora e o indivíduo começa a ter problemas ao caminhar.

As causas do dedo de pombo estão relacionadas segundo o local do desalinhamento. Nesses casos o “dedo de pombo” é gerado por outras causas estruturais, estas, podem ser identificadas por meio da idade da criança e pela característica estrutural dos membros, tais como:

  • Metatarsus Adductus: A forma mais comum de “dedos de pombo”, os pés dobram para dentro do mediopé.
  • Torção tibial interna: Quando uma criança adquire a deformidade durante seu segundo ano, é mais provável que seja por conta de uma torção da tíbia para dentro. Esta condição é chamada torção tibial interna.
  • Torção femoral medial: Quando uma criança entre as idades três e dez possui as características dos “dedos em pombo”, provavelmente é devido a um giro para dentro do fêmur, uma condição chamada torsão femoral medial.

Em ambos os casos, se não houver melhora, pode ser necessário o procedimento cirúrgico. Vale lembrar também, que, as duas condições tendem a correr em famílias.

TRATAMENTO PARA “DEDOS DE POMBO”

Para tratar do problema logo no início, é muito importante sempre acompanhar de perto o crescimento da criança, estimulá-la com exercícios (o ballet usualmente é um ótimo estímulo) e procurar fazer uma avaliação, caso o problema não regrida.

O uso de órteses e palmilhas também é recomendado para auxiliar na resolução do caso e alinhar o pé e a perna o mais rápido possível, para que não haja a necessidade de uma cirurgia corretiva.

Estudos mostram que a maioria das crianças que possuem essa característica no começo da infância, não precisam de tratamento. Mas, caso o problema persista após seis meses, ou se for rígido e difícil de endireitar, é importante procurar um médico ortopedista pediátrico, ele poderá recomendar uma série tratamentos conservadores com objetivo principal de corrigir a condição antes que o mesmo comece a andar.

Opções de tratamento menos severas para o dedo do pé incluem cuidados como: evitar que a criança sente com as pernas cruzadas e utilize sapatos corretivos, o que normalmente é feito antes que a criança chegue a 12 meses de idade ou mais.

Vale lembrar que se a criança permaneçe com o problema até os 10 anos de idade, é indicado o procedimento cirúrgico para resolver a condição.
 

Procure um médico especialista em casos ao qual o “dedo de pombo” ainda está manifestado na criança.

Procure um médico especialista em casos ao qual o “dedo de pombo” ainda está manifestado na criança.

SINAIS E SINTOMAS DO “DEDO DE POMBO”

Confira agora os principais sinais e sintomas dos “dedos de pombo”, eles podem ser facilmente identificados, porém, podem ser confundidos. Confira:

  • Os pés apontam para dentro, como se os dedos dos pés estivessem tocando;
  • Tropeço (casos graves): É importante lembrar que conforme a criança começa a dar os primeiros passos, coisas como cair ou tropeçar enquanto andam é normal, entretanto, quando há uma dificuldade muito grande e é perceptível alguma deformidade nos dedos do pé da criança, é recomendado a procura por um médico especialista, pois isto pode estar associado aos dedos de pombo “pigeon toes”.

DIAGNÓSTICO

Essa condição requer uma consulta com um pediatra ou um ortopedista para um diagnóstico completo e detalhado. O profissional também irá indicar o tratamento mais adequado.

Para dar o diagnóstico correto, o médico irá observar a forma que a criança fica em pé e como ela anda, ele também pode examinar os pés com as mãos fazendo leves movimentos. Ele também pode optar por realizar imagens dos pés e pernas da criança, que podem incluir raio-x ou uma tomografia Axial computorizada (esta será utilizada para verificar como os ossos estão alinhados).

Entretanto é possível perceber alguns sinais nos pés da criança como:

• Parte dianteira do pé da criança em repouso gira para dentro.

• O lado exterior do pé da criança é curvo como uma meia-lua. Esta condição é geralmente leve e vai voltar a normalidade antes do primeiro aniversário do seu bebê. Entretanto ela pode ser mais grave em algumas situações, podendo acompanhar outras deformidades no pé.

COMPLICAÇÕES

Para o indivíduo que possui essas características nos dedos do pé, algumas complicações fatalmente aparecerão, entre elas estão:

Maneira de andar: o indivíduo terá um andar diferente por conta da estrutura do pé afetada pelo “dedo de pombo” e pode ter mais desequilíbrio nos membros inferiores;

Dificuldade em encontrar calçados confortáveis: devido à curvatura diferenciada dos pés de uma pessoa com o “dedo de pombo”, fica difícil encontrar calçados que se encaixem corretamente, tornando assim complicado a procura por calçados ideais.

 

Crianças com os “dedos de pombo” possuem uma curvatura diferenciada nos pés, isso é um problema na hora de encontrar calçados confortáveis.

Crianças com os “dedos de pombo” possuem uma curvatura diferenciada nos pés, isso é um problema na hora de encontrar calçados confortáveis.


 

Exercícios para correção dos “dedos de pombo”

Além do tratamento indicado pelo médico especialista, é recomendado para os pais que realizem alguns exercícios que podem ajudar a criança a se livrar dos “dedos de pombo”.

Confira abaixo alguns dos exercícios mais recomendados:

  • Exercício 1: Peça a sua criança sentar-se em linha reta em uma cadeira firme. As crianças com pés de pombos tendem a se sentar naturalmente com as pernas cruzadas. Ajude o seu filho a sentar-se na cadeira com as pernas sem nenhum calçado e os pés no chão. Coloque os pés dela na posição correta ligeiramente para fora em um pedaço de papel. Faça um jogo deste exercício, fazendo com que seu filho sente-se na cadeira com os pés nos contornos dos traçados no papel. Este exercício pode ser feito regularmente enquanto a criança está comendo, colorindo ou lendo. Incentive este exercício diariamente até que a condição seja corrigida.
  • Exercício 2: Reserve uma área de 6 metros quadrados em sua sala de estar ou jardim para evitar quaisquer ferimentos. Mostre a sua criança como andar para trás. Peça-lhe que o siga na caminhada para trás. Continue o exercício por até 10 a 20 minutos ou apenas o tempo que ele consiga fazer. Este exercício ajuda a fortalecer as articulações do quadril ao manter os pés retos enquanto anda. Repita este exercício regularmente até que haja melhoras.
  • Exercício 3: Faça um feixe de caminhada para o seu filho a pé. Coloque uma tábua de madeira em dois pedaços quadrados de ou utilize dois tijolos. Mantenha a prancha apenas de três a cinco polegadas acima do solo para evitar lesões devido à queda. Ajude o seu filho a caminhar por todo o comprimento da prancha duas a quatro vezes por dia e continue este exercício regularmente até que ele esteja andando normalmente. Este exercício ajuda a criança a colocar um pé na frente do outro corretamente, e fortalece os músculos que mantêm os ossos do quadril e da canela alinhados.