Crianças que andam na ponta dos pés

Um problema muito comum entre as crianças e que não costuma ser muito discutido é a definido por “crianças que andam na ponta dos pés”. Essa condição acomete crianças logo nos primeiros passos e essa patologia se agrava e avança conforme a criança continue andando do mesmo jeito.

Andar na ponta dos pés é a segunda principal causa de reclamações em pediatria no Brasil. Este problema também recebe o nome de “marcha equina”.

No começo essa condição pode ser normal, ela acontece por um reflexo e padrão motor (controlado por nosso sistema central), contudo, se isto continuar até os cinco anos de idade, os pais deverão procurar um ortopedista.
 

Imagem ilustrativa mostrando uma as pernas de uma criança andando na ponta dos pés.

O andar na ponta dos pés.

CAUSAS

Entre os motivos que levam as crianças a andarem na ponta dos pés está a imaturidade do sistema nervoso central, isso é normal durante os primeiros anos de vida do bebê, na maioria dos casos essa condição é temporária.

Entretanto, essa condição pode estar associada a outros problemas mais sérios, como a paralisia cerebral. Este problema é ainda mais comum em crianças prematuras, elas têm tendência a um tipo de paralisia cerebral chamada de diplegia, esta patologia afeta a metade de baixo do corpo.

O problema também pode ser físico, ocasionado por um encurtamento do tendão de Aquiles. Esse encurtamento impossibilita que a criança ande encostando todo o pé no chão.

Outra causa frequente desta condição é o uso de andador pelas crianças, inclusive este é um dos motivos pelo qual a utilização deste aparelho é contraindicado pelos médicos.

Existem também as chamadas “causas idiopáticas” que é quando não há uma explicação médica pela qual a criança possui este problema, nestes casos normalmente a condição volta ao normal mas podem também estar relacionadas a crianças com problemas de fala e outras dificuldades de desenvolvimento.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico correto para a “marcha equina” deverá ser feito por um médico especializado, como um ortopedista, por exemplo. Porém, um exame físico que pode ser realizado em casa pode detectar o encurtamento do tendão.

Para casos relacionados a problemas neurológicos outros exames podem ser solicitados.
 

Procure um médico especialista em casos ao qual o “dedo de pombo” ainda está manifestado na criança.

Procure um médico especialista.

TRATAMENTO

O tratamento para crianças que andam na ponta dos pés só é indicado para casos em que não há uma melhora natural.

Os tratamentos consistem em exercícios de alongamento do tendão por meio de fisioterapia.

Outra opção é o procedimento cirúrgico, que consiste no alongamento do tendão encurtado. Esse procedimento garante 100% de recuperação ao paciente, além de ser muito simples.

O pós-operatório não é complicado, não é necessário engessar as pernas, basta apenas fazer uso de uma órtese (botas de plástico com velcro). Em clínicas particulares essa operação sai em torno de R$ 3 a R$ 4 mil.

É importante que os pais não tentem forçar a criança ou repreende-las por andar na ponta dos pés, essa é uma condição que necessita de tratamento, sendo impossível que a criança mude a pisada por si mesma.