A importância do tamanho do calçado infantil

O PÉ INFANTIL

Os pés são responsáveis pela locomoção, pelo suporte à massa corporal e pelas sobrecargas adicionais impostas pelas forças resultantes das atividades de vida diária (AVD), ocupacionais, de lazer ou esportivas.

Sabemos que durante o desenvolvimento, as estruturas anatômicas (ossos, músculos e ligamentos) do pé infantil se modificam até chegarem à forma de um pé adulto. Quando analisamos os pés nos primeiros anos de vida, notamos que sua formação é basicamente composta por tecidos moles (músculos, tendões, gordura, vasos sanguíneos e nervos), mas, à medida que o pé vai crescendo, todas as cartilagens se ossificam (processo normal de formação de osso). No entanto, esse processo de ossificação só será concluído por volta dos 14 ou 15 anos de idade.

Pé infantil

1. Pé infantil

Por não apresentar o pé totalmente ossificado, a criança suporta o uso de calçados apertados e desconfortáveis sem sentir dor. Por isso é necessário atenção, pois além do crescimento rápido do pé e a frequente necessidade de mudança do calçado, a criança não saberá dizer com exatidão se o mesmo é confortável ou não.

Durante a infância, há um aumento de peso e dimensões do corpo. Normalmente nos preocupamos se o crescimento da estatura da criança está dentro do padrão de normalidade, porém observar o crescimento do pé é igualmente importante. A falta de atenção para esse quesito pode levar ao esquecimento da necessidade de comprar um calçado maior.

Um estudo recente demonstrou que 50% das crianças usam calçados menores do que o ideal. Além de machucar os pés, um calçado apertado nessa fase de crescimento pode levar à alteração do desenvolvimento dos ossos do pé, predispor o aparecimento de joanete (hálux valgo) e alterar a formação do arco plantar (pé chato ou pé cavo), refletindo na parte musculoesquelética (joelhos, quadris e coluna) desse indivíduo quando se tornar um adulto.

TAMANHO IDEAL DO CALÇADO INFANTIL

Geralmente, o pé de uma criança cresce em média 1 mm por mês, dessa forma, seu calçado precisa ser no mínimo 12 mm e no máximo 17mm maior que o seu pé. Portanto, ao comprar um tênis 17 mm maior, a criança conseguirá usá-lo, em média, por 5 meses. Consequentemente, após esse período é muito importante que os pais ou responsáveis reavaliem o tamanho do pé em relação ao calçado e realizem a troca se for necessário.

Especialistas destacam a importância da flexibilidade e da folga na parte da frente dos calçados infantis (1 a 1,5 cm ou espaço que sobra na frente do calçado ao apertá-lo com os dedos), assim como a necessidade de manter livre o arco do pé e a preferência por bicos largos, que proporcionam maior movimentação. É necessário também um bom encaixe do calcanhar e para as crianças que já caminham, a sola precisa ser mais grossa, firme e flexível para que elas possam sentir as irregularidades do chão; a sensação destes estímulos (tato, dor, pressão, etc.) é de suma importância para desencadear reflexos nervosos (mecanismo de estímulo e resposta do sistema nervoso) que ativarão a musculatura, melhorando o equilíbrio, a postura e o desempenho funcional dos pés.

Em relação à frequência da troca de palmilhas sob medida para o pé infantil, a atenção e os cuidados devem ser os mesmos que a frequência da mudança de tamanho do calçado. Caso contrário, seu uso não será tão efetivo.

ALTERAÇÕES NO PÉ INFANTIL CAUSADAS PELO USO DE CALÇADOS INADEQUADOS

Como já falamos anteriormente, o pé de uma criança cresce rápido (em média 1 mm por mês) e isso exige cuidados redobrados para não perder o momento correto da troca do calçado. O uso de calçados em tamanhos menores do que o ideal pode ser o fator desencadeante ou agravante de algumas alterações no desenvolvimento do pé infantil, como:

 

    • Pé chato (pé plano): é importante esclarecer que quando a criança nasce ainda não possui o arco plantar (aquela curvinha existente no pé), pois nessa região normalmente existe gordura, o que deixa o pezinho totalmente plano. A partir dos dois anos inicia-se a formação do arco, espontaneamente, pelo próprio crescimento da criança. Este desenvolvimento pode ocorrer até seis anos ou mais. Se observada perda da curvatura dos pés após essa idade, a criança deve ser avaliada por um especialista para detectar as alterações da evolução normal e os casos patológicos. O pé chato não tratado na infância pode ocasionar vários problemas na fase adulta, portanto, é fundamental tomar medidas preventivas que possam evitar a evolução ou desenvolvimento do mesmo. 
      Pé chato

      2. Pé chato

 

    • Pé cavo:O aumento da arcada plantar (curva do pé), associado com o varismo do retropé (elevação do arco na região do meio do pé) e dedos em garra são as principais características dessa deformidade. Quando não tratado, o pé cavo pode dar origem a dores nos joelhos, metatarsalgias (inflamação e dor no peito do pé) e calosidades.

 

Pé Cavo

3. Pé Cavo

 

    • Deformidades dos dedos:calçados pequenos podem agravar ou contribuir para o desenvolvimento dos dedos em garra e dedos em martelo. Essas patologias se caracterizam por deformidades dos dedos e, normalmente, acontecem por retração e encurtamento dos tecidos (músculos e ligamentos) do pé.

 

Dedo em garra / Dedo em martelo

4. Dedo em garra / Dedo em martelo

 

    • Joanete (Hálux Valgo): sua principal característica é a formação de uma saliência óssea (calo ósseo ou protuberância do osso) na articulação metatarsofalangeana do hálux, ou seja, na base do primeiro metatarso (dedão do pé). Em alguns casos, o problema é congênito, ou seja, a criança já nasce com o desvio lateral do artelho, mas o uso de sapatos apertados, com a parte da frente muito justa favorece o aparecimento e desenvolvimento dos joanetes.

 

Joanete

5. Joanete

PRIORIZE O CONFORTO E A SEGURANÇA DE SEUS FILHOS

Os pais devem priorizar o conforto e a segurança dos seus filhos, evitando a escolha de calçados inadequados e possíveis prejuízos no crescimento e no desenvolvimento infantil.

Assim como os calçados, as palmilhas também são aliadas das crianças e dos pais, pois ajudam a tratar diversas alterações na pisada e oferecem conforto. Todavia, os cuidados tomados devem ser iguais para os dois. Quando se trata de criança, há uma necessidade redobrada na atenção para realizar a troca no momento correto, pois seu crescimento é rápido e, na maioria das vezes, eles ainda não sabem dizer se o sapato está adequado ou não.

Palmilhas infantis

6. Palmilhas infantis Pés Sem Dor