Pesquisa: Os Pés Brasileiros

Dica: você pode baixar essa pesquisa em PDF clicando aqui.

Resumo

Pés dos Brasileiros: um estudo profundo com 26.339 pessoas

Esta pesquisa foi realizada durante os meses de fevereiro e março de 2012. 26.339 pessoas iniciaram o questionário e 21.423 responderam a todas as perguntas do extenso questionário, contendo de 51 a 156 perguntas. Foi tudo realizado pela internet.

Os entrevistados da amostra incluem pessoas de 15 a 90 anos de idade de todo o Brasil. 44,6% homens e 55,4% mulheres. 47,3% dos entrevistados fazem atividades físicas ou praticam esportes. Dados sobre a renda mensal foram coletados.

O estudo é apresentado em 5 segmentos que incluem:

I. Características dos pés brasileiros
II. Problemas dos pés brasileiros
III. Uso de produtos e serviços para os pés brasileiros
IV. Prestadores de serviços para os pés brasileiros
V. A dor nos joelhos e tornozelos dos brasileiros

 

I. Características dos pés brasileiros

14% têm os pés chatos e 16,9% têm os pés cavos. 34,9% têm pés que apontam para fora e 8,7% dos pés apontam para dentro. O restante têm pés que apontam para a frente. O pé direito é o pé dominante em 86,4% da população.

Hálux valgo (joanete) apresenta alta incidência e varia de 14,8% a 53,7% da população feminina. Para os homens é de 6,3% a 13,2%.

Pessoas com hálux valgo (joanete) dizem ter dificuldade em encontrar sapatos que acomodem o hálux valgo.

– 4% da população têm dedos em garra ou martelo.

– 32,8% têm dedo de morton (o segundo dedo do pé é maior que o dedão).

– 10% da população têm dedos sobrepostos.

– 9% da população têm uma perna mais comprida do que outra.

 

II. Problemas dos pés brasileiros

Dores nos pés é um grande problema para os brasileiros. Dependendo da idade, 13,5% a 34,2% dos homens e 22,2% a 55,1% das mulheres têm dores nos pés sempre ou muitas vezes.

A maioria das pessoas relata ter dor em mais de uma região dos pés. Tanto para homens como para mulheres, a região onde mais incide a dor é o calcanhar, em seguida a planta do pé e a parte superior do pé.

Surpreendentemente, as pessoas que praticam esporte e fazem exercícios físicos têm menos dores nos pés.

O aumento de peso influencia a frequência de dores nos pés. Obesos têm dores nos pés com maior frequência do que pessoas com peso normal ou sobrepeso. O aumento do IMC (Índice de Massa Corporal) está associado com aumento da frequência de dores nos pés.

O total de respondentes com dor no pé aumenta com o número de horas em pé por dia. A frequência das dores nos pés aumenta proporcionalmente ao número de horas em pé por dia. Dor nos pés está associada a:

– Dor causada por impacto, em 13% a 17% dos casos.

– Muito tempo em pé ou a atividade intensa, na maioria dos casos.

– Inatividade prolongada, em 9% a 17% dos casos.

 

A intensidade da dor no pé é maior para mulheres do que homens. Dependendo da região no pé, o nível de dor acima de 7 (numa escala de 1 a 10) atinge 21% a 44% das mulheres. De 47,6% a 53,6% dos respondentes têm dor em ambos os pés, dependendo da região com a dor.

– 34,8% dos homens e 43,8% das mulheres têm ou tiveram unha encravada nos últimos 12 meses.

– 31,4% da amostra relataram ter tido pé de atleta (frieira, fungos) nos últimos 3 meses.

– 7,5% da população tiveram crises de gota no dedão do pé no último ano.

– Infecções por micose nas unhas incidiram sobre 16,7% da população nos últimos 12 meses.

– 39% da população tiveram problemas com bolhas nos últimos 12 meses.

– 46,2% da população tiveram calos em seus pés nos últimos 12 meses.

– Apenas 4% da população relataram ter tido verrugas plantares nos últimos 12 meses.

– 40% da população tiveram fissuras na pele do calcanhar, nos últimos 12 meses.

– 65,3% têm pele seca nos pés.

– 68% reportaram odor nos pés (chulé).

 

Pé diabético é um grande problema em pessoas idosas.

– No grupo de 65-69 anos de idade, 21% dos homens e 13,4% das mulheres têm diabetes. 

– 56% dos homens e 22,2% das mulheres com diabetes reportaram perda da sensibilidade em seus pés (neuropatia). 

– É alta a taxa de pessoas que perdem a sensibilidade em seus pés e apresentam lesões: 19,7% a 30,2% da população.

– 24,8% dos homens e 21,7% das mulheres com diabetes usam sapatos especiais.

 

89,1% da população diz que seus pés ficam quentes e suados quando usam sapatos fechados.

O índice de fraturas nos pés é surpreendentemente alta, 13,9% para homens e 15,3% para as mulheres.

 

III. Produtos utilizados nos pés brasileiros

7 tamanhos de sapatos servem para 95,7% dos homens e 97,8% das mulheres. 14,9% dos homens e 25,6% das mulheres dizem que a largura padrão dos sapatos não é adequada para eles. Homens (18% a 25%) e mulheres (25% a 34%) reportam que possuem volume dos pés anormal. 29,8% dos homens e 54,1% das mulheres com o volume do pé anormal têm dificuldade em encontrar sapatos adequados.

 

Sapatos Masculinos

Utilização por tipo de sapato/sandália mostram a seguinte ordem:

1. Sandálias
2. Tênis
3. Sapatos sociais
4. Sapatênis
5. Outros

O número médio de pares comprados nos últimos 90 dias varia entre 2,5 e 2,7 pares, dependendo da idade. A participação no mercado em termos de pares comprados é:

– Sapatos sociais 18,6%
– Tênis 30,7%
– Sapatênis 15,4%
– Sandálias 27,9%
– Outros tipos 7,3%

Homens têm em média entre 7,58 e 11,08 pares de sapatos ou sandálias no armário.

 

Sapatos femininos

Utilização de calçados femininos em ordem:

1. Sandálias/”rasteirinhas”
2. Sapatos sociais/sapatilhas sem salto
3. Tênis
4. Sapatos sociais/sandália (com salto até 4 cm)
5. Sapatos sociais/sandália (salto mais de 4 cm)
6. Sapatênis
7. Outros

 

– As mulheres compram quase 2 vezes mais sapatos/sandálias que os homens. O número médio de pares comprados nos últimos 90 dias variou entre 4,49 e 5,61.
– Mulheres com renda superior a R $ 7.000,00/mês compram em média 8,07 pares de sapatos por mês.
– As mulheres têm, em média, entre 18,41 e 22,64 pares de sapatos/sandálias em seu armário, dependendo da idade.
– As mulheres com renda superior a R $ 7.000,00/mês têm uma média de 32,52 pares no armário.
– Sapatos novos machucam os pés no calcanhar no final do tendão Aquiles pelo menos algumas vezes para 51,9% dos homens e 82,7% das mulheres.

 

Meias Masculinas

23% dos homens não usam meias sempre ou na maioria das vezes. O tipo de meia mais utilizada é a meia esportiva. O uso de meias esportivas diminui com o avançar da idade. O uso de meias sociais aumenta com a idade.

 

Meias Femininas

Mulheres usam meias muito pouco. 73,8% delas dizem não usar meias o tempo todo ou muitas vezes. O tipo de meia mais usado é a esportiva e para sapatilhas.

 

Palmilhas

8% dos entrevistados utilizam palmilhas. O uso de palmilhas aumenta com a idade, a maioria dos usuários de palmilha tem apenas 1 par. 33,3% usam palmilhas feitas sob medida e 66,7 % as compraram prontas.

 

O uso de creme nos pés

44,2% da população usam creme nos pés. 77,8% dos homens e 95% das mulheres usam creme para hidratar. 36,8% dos homens e 52,6% de mulheres que utilizam cremes aplicam o creme diariamente em seus pés. Um mercado enorme de creme para pés.

 

Massagem nos pés

68,7% da população fazem massagem nos pés. 76,8% dos homens e 84% das mulheres fazem massagem em seus próprios pés.

 

Pintando as unhas do pé

3,3% dos homens e 81,6% das mulheres pintam as unhas dos seus pés. Jovens pintam as unhas com mais frequência.

 

IV. Prestadores de Serviços para os pés brasileiros

Visitas ao médico por problemas nos pés aumentam com a idade, mas no grupo de 65-69 anos de idade, 55,6% dos homens e 26,2% das mulheres nunca foi ao médico por problemas nos pés.

Ambos, mulheres e homens, vão ao podólogo com menos frequência do que vão ao médico.

9,2% dos homens e 58,2% das mulheres dizem ir ao pedicure.

29,7% vão semanalmente, 37,7% mensalmente.

 

V. Dor nos joelhos e tornozelos de brasileiros

34,3% dos homens e 46,9% das mulheres têm dor nos joelhos. 87,1% dessas pessoas dizem que a dor é intermitente. A prática de exercícios físicos/esportes não parece influenciar na dor nos joelhos. O aumento na frequência da prática de exercícios e esportes não aumentou a incidência de dor nos joelhos. A frequência de dor nos joelhos aumenta com o tempo em pé.

Houve uma relação significativa entre dor no joelho e os tipos de pés. Pessoas com pés chatos ou pés com arco alto demonstraram em número bem maior ter dor nos joelhos em comparação com pessoas com o pé normal.

22,4% dos homens e 34,3% das mulheres têm dores nos tornozelos. 87% dizem que a dor é intermitente. Dor nos tornozelos também apresenta uma relação com o tipo de pé. Pés chatos e com arco alto estão associados à dor no tornozelo.

Muito interessante é que aqueles que praticam exercícios físicos/esportes têm dor no tornozelo menos frequentemente do que aqueles que não o fazem.

 

 
Clique nos links listados abaixo e saiba mais sobre a pesquisa “Os pés brasileiros”, realizada pela Pés Sem Dor:
 

Características da amostra

Características dos pés brasileiros

Problemas dos pés brasileiros

Produtos utilizados pelos brasileiros para seus pés

Prestadores de serviços para os pés brasileiros

Dores nos joelhos e tornozelos dos brasileiros