LiveZilla Live Help

Artrose

artrose

O QUE É ARTROSE:


Para entender sobre artrose, é necessário saber que a artrose é um tipo de artrite. Artrite significa inflamação das articulações. Existem diversos tipos de artrites e uma delas é a artrose.

A artrose, também conhecida como osteoartrose ou osteoartrite, é uma doença degenerativa e progressiva que acomete as articulações. Ela começa com o aumento do atrito entre os ossos e pode evoluir para a destruição total da cartilagem, com formação óssea (osteofítos) na articulação e deformidades. É uma doença que não tem cura, mas os tratamentos costumam ser muito eficazes, ajudando a melhorar ou acabar totalmente com os sintomas.

A palavra artrose vem do grego (artros = articulação, ose = desgaste) que se refere ao desgaste da cartilagem que fica dentre as articulações (juntas), provocando uma fricção entre os ossos e levando à inflamação do local, gerando dor, inchaço e limitação das funções.

A artrose é uma doença degenerativa que acomete as articulações, com predomínio na população acima dos 65 anos. Estudos americanos apontam que mais de 50 milhões de pessoas apresentam esta enfermidade, tornando-se uma das causas mais frequentes de dor do sistema musculoesquelético e de incapacidade para o trabalho no Brasil e no mundo. Antes era tratada como uma doença progressiva, de evolução arrastada, sem perspectivas de tratamento, encarada por muitos como processo natural de envelhecimento. Hoje, no entanto, é vista como uma enfermidade em que é possível modificar o seu curso evolutivo, tanto em relação ao tratamento sintomático imediato, quanto ao seu prognóstico.

artrose-joelho

 
Para compreender melhor o processo de deterioração que ocorre na artrose, é preciso entender como funciona uma articulação.
Articulação ou junta, como é conhecida popularmente, é o local onde os ossos se encontram. Como exemplo de articulações temos: o joelho, que é a articulação que conecta os ossos fêmur e tíbia, unindo a coxa à perna; o tornozelo, que é uma articulação que conecta os ossos tíbia, fíbula e tálus, unindo as pernas aos pés; o cotovelo, que é a articulação que conecta o osso úmero aos ossos ulna e rádio, unindo o braço ao antebraço.

A articulação é revestida pela cartilagem, uma estrutura responsável por amenizar o atrito e diminuir o impacto direto entre as extremidades ósseas, impedindo os danos nas articulações. Ela permite que os ossos deslizem uns sobre os outros, com pouco atrito, gerando um amortecimento e quando a articulação perde essa cartilagem, a artrose é instaurada. A insuficiência da mesma, ocasionada pelo desequilíbrio entre a formação e a destruição dos seus principais elementos, associada a uma variedade de condições, leva a um quadro de dores articulares. A artrose é o desgaste de componentes articulares que, consequentemente, leva à destruição de outras estruturas próximas, como a membrana sinovial e o líquido sinovial (responsável por “lubrificar” a cartilagem).

No início da artrose, a cartilagem torna-se mais áspera, levando ao aumento do atrito durante a movimentação da articulação. Já a artrose grave surge quando a cartilagem é completamente destruída, levando a um atrito severo entre os dois ossos que causa desgaste dos mesmos.

Podemos dizer que no início há um aumento do atrito entre os ossos e pode evoluir para a destruição total dessa cartilagem, com formação óssea (osteófitos) na articulação e deformidades. Este atrito nas articulações provoca uma inflamação, que se caracteriza por um quadro de artrite, daí o nome de osteoartrite (artrite = inflamação da articulação). Existem diversas doenças que podem causar artrite, porém a artrose é a mais comum.

As possíveis causas que levam ao desgaste da estrutura que reveste os ossos (cartilagem), principalmente nas articulações da coluna, quadril e joelhos é o excesso de carga ou impacto; tal processo degenerativo pode limitar a movimentação do paciente e, em estágios mais avançados, pode haver calcificação de alguns pontos da articulação formando os osteófitos (proeminências ósseas popularmente conhecidas como bicos de papagaio, que surgem mais frequentemente na coluna).

As articulações mais acometidas pela artrose são: joelhos (gonoartrose), quadril (coxartrose) e dedos (poliartrose digital).

TIPOS DE ARTROSE

A artrose pode ser classificada em dois tipos:

– Primária: quando não há uma causa específica para o início do desgaste da cartilagem e está associado ao uso excessivo da articulação, como, por exemplo, a idade avançada, o sobrepeso e a prática intensiva de atividades físicas com alto impacto.

– Secundária: quando existe algum fator que marcou o de início do desgaste da cartilagem, como fraturas na articulação, doenças e deformidades.

O ponto de partida da doença acontece quando existe um aumento de carga ou falha dos fatores protecionais da articulação (músculos, ligamentos, cápsula articular, meniscos), deixando-a vulnerável, o que pode levar ao início do desgaste da cartilagem. A artrose é classificada da seguinte forma:

 

Classificação de artrose

1. Classificação de artrose

A doença inicia com uma redução do espaço da articulação, que perdeu a estabilidade, e pode apresentar osteófitos, que é o crescimento ósseo em volta da articulação, na tentativa de restaurar a estabilidade perdida. No grau mais grave dessa doença, o espaço articular praticamente acaba; a articulação apresenta grandes osteófitos; pode crepitar, estalar ou ranger; e existe a perda de movimento e rigidez (que normalmente piora no frio).

O QUE CAUSA ARTROSE

Por ser uma doença multifatorial e que acomete muitas pessoas, a artrose pode estar relacionada com genética, sexo, etnia, densidade óssea, fatores nutricionais e metabólicos, mas as causas principais são:

  • Desalinhamento das articulações, que causa o aumento do impacto e do processo degenerativo;
  • Excesso de carga, que pode ser derivada do sobrepeso ou do aumento de atividade física sem a preparação adequada.
  • Fraqueza muscular: a musculatura é o principal fator de proteção para a articulação e, quanto mais fraca estiver, mais vulnerável estará à artrose.
  • Alteração no tipo de pé (pé plano ou cavo demais), que causa desalinhamento e desgaste articular. Quanto mais velha for a pessoa, maior será a tendência a desenvolver um pé plano e um desalinhamento prejudicial.
  • Cirurgias prévias: alguns processos cirúrgicos, como a retirada de meniscos ou reconstrução ligamentar, podem deixar a articulação instável e levar à artrose.
  • Traumas e lesões nas articulações, fratura articular, desigualdade de membros ou uma displasia causará dano na cartilagem e o desalinhamento da superfície articular, levando a uma artrose precoce.

 
Podemos resumir da seguinte forma:

A) São considerados fatores de suscetibilidade individual:

  • Hereditariedade: mulheres cujas mães têm artrose possuem maior probabilidade de desenvolver a patologia;
  • Fatores Hormonais: descontroles hormonais propiciam o desenvolvimento da doença;
  • Obesidade: pessoas obesas possuem maior carga articular levando a fenômenos degenerativos;
  • Massa óssea: alterações de massa óssea interferem no aparecimento da patologia;
  • Hipermotilidade: implica em maior stress articular e maior facilidade na ruptura da cartilagem;
  • Doenças metabólicas.

 
B) São considerados fatores mecânicos:

  • Macro traumas;
  • Traumas repetitivos localizados;
  • Sobrecargas esportivas;
  • Uso inadequado de aparelhos de musculação;
  • Alteração da biomecânica normal da articulação;

fatores-artrose_

 

As deformidades de joelho e sua influência na Osteoartrose

Os joelhos são as principais articulações de carga dos membros inferiores e onde encontramos a maior incidência de artrose.
No caso dos joelhos as alterações na angulação contribuem para o desenvolvimento da artrose, conhecida como “Gonartrose”.

É necessário que as articulações do joelho estejam perfeitamente alinhadas. Um joelho alinhado possui o seu eixo de carga passando pelo seu centro, podendo ter uma pequena variação de até aproximadamente 5º (cinco graus) admitida para esse eixo.

Quando os eixos de carga possuem uma angulação superior a este valor, terá deformidades que denominamos “varo”, quando a angulação é externa, e “valgo” quando esta é interna.

Se houver carga sobre este eixo que está deformado, ocorrerá uma força vetorial externa ou interna, dependendo da angulação do joelho, fazendo com que haja uma maior pressão em determinada área, o que acarretará um desgaste precoce ou do lado interno ou do lado externo do joelho.

O joelho varo é um desalinhamento dos membros inferiores que faz com que o indivíduo fique com as pernas arqueadas, o que contribui para a sobrecarga na região medial e estiramento das estruturas laterais. Essa deformidade projeta os joelhos para fora da linha média do corpo.

O alinhamento do joelho em valgo contribui para a sobrecarga na região lateral e estiramento das estruturas mediais.

Nessa deformidade, os joelhos ficam mais próximos um do outro, são forçados para dentro e os pés ficam afastados, sendo posicionados para fora. O joelho valgo é mais comum entre as mulheres, em virtude do quadril mais largo. Quando muito acentuada a alteração, podem surgir diversos problemas à saúde, é o caso da artrose.

Joelho varo, que leva a impacto e artrose no lado medial do joelho

2. Joelho varo, que leva a impacto e artrose no lado medial do joelho


Joelho valgo, que leva a impacto e artrose no lado lateral do joelho

3. Joelho valgo, que leva a impacto e artrose no lado lateral do joelho

PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS DA ARTROSE

A artrose pode evoluir sem sintomas e ser diagnosticada em estágios mais avançados, mas alguns sinais podem ser indícios da doença, como a crepitação ou estalidos na articulação durante o movimento.

A dor costuma ser pior no final do dia e após longos períodos de inatividade. Algumas pessoas apresentam piora da dor com mudanças no clima. Conforme a artrose avança, a dor surge com atividades cada vez menos intensas, podendo ocorrer mesmo em repouso e durante a noite. A artrose em fases avançadas leva a incapacidades severas.

A dor não é causada devido à lesão na cartilagem, pois esta não apresenta inervação. Isso significa que algumas pessoas com lesões graves da cartilagem podem apresentar poucas queixas de dor, enquanto outras, com lesões menos visíveis, podem ter sintomas mais evidentes.

O principal sintoma da artrose é a dor, e pode estar ligada a:

  • Rigidez da musculatura ao redor da articulação;
  • Redução da força muscular;
  • Perda de amplitude de movimento;
  • Perda de equilíbrio, se a articulação ajuda a suportar o peso do corpo, como o tornozelo, joelho e quadril.

A rigidez articular também é uma queixa bastante comum em pessoas com artrose. A rigidez é comum nos primeiros minutos do dia, após acordar, melhorando com o tempo. Durante o dia também podem surgir episódios de rigidez articular, principalmente após longos períodos de inatividade.
Além disso nota-se mobilidade menor, inchaço, calor local e crepitações ao movimento.

COMO TRATAR E PREVENIR A ARTROSE

O diagnóstico da artrose deverá ser feito por um médico especialista que irá avaliar a sensibilidade da região afetada e os limites de movimento da articulação (para detectar a rigidez e a dificuldade em executar manobras simples com os membros inferiores). Será analisado o histórico do paciente e da família (para checar o fator hereditário), a ocorrência e a duração das dores.

Exames de imagem podem indicar o desgaste nas áreas em que o paciente sente os incômodos, além de ilustrar o grau de desenvolvimento da doença. O raio-x, mesmo não exibindo a cartilagem, pode ser muito útil para o diagnóstico da artrose.

A artrose é uma doença crônica que piora progressivamente com o passar dos anos. O tratamento ajuda a reduzir os sintomas, manter a pessoa acometida ativa e retardar a progressão desta patologia. O tratamento inclui terapias, com e sem medicamentos e, em alguns casos, cirurgia. Os objetivos do tratamento são o controle a dor e do inchaço, melhorar a qualidade de vida e prevenir a progressão da doença.

Em geral, a prevenção e o tratamento da artrose estão relacionados ao ganho de estabilidade da articulação e à melhora do alinhamento e, para conseguir isso, é necessário o aumento da força muscular e do equilíbrio, por meio de:

  • Fisioterapia, que indicará exercícios específicos para o fortalecimento da musculatura próxima de região, além de reduzir a dor e melhorar a postura do paciente para a realização de atividades cotidianas (a maneira correta de andar, varrer a casa sem sobrecarregar a coluna ou os joelhos, a forma de sentar, etc.);
  • Emagrecer, para diminuir a sobrecarga nas articulações (aplicável, principalmente, em pessoas com sobrepeso). O excesso de peso está associado a maior probabilidade de desenvolvimento de artrose, principalmente nos joelhos;
  • Repouso: A dor da artrose costuma piorar após o esforço e melhora após o repouso. Descansar a articulação afetada pela artrose nos momentos de crise ajuda a aliviar a dor, porém o repouso excessivo pode levar à atrofia da musculatura e diminuir a mobilidade desta articulação. Portanto, o descanso é recomendado apenas para curtos períodos de tempo, geralmente nos casos agudos de dor;
  • Diminuir a prática de atividade física de alto impacto: com o impacto excessivo, as articulações perdem mais rapidamente a cartilagem, fazendo com que a capacidade de absorção de impacto seja cada vez menor;
  • Praticar atividade física: exercícios físicos são muito importantes para pessoas com artrose. Apesar do incômodo que a movimentação das articulações acometidas causa durante um esforço, a atividade física correta irá fortalecer os músculos em torno da sua articulação, aumentar a amplitude do movimento. Quanto mais forte e flexível é a musculatura em torno das articulações acometidas, menor é atrito entre os ossos, e consequentemente menor é a dor e a inflamação;
  • Aplicar compressas de gelo para aliviar as dores, controlar a inflamação e o inchaço;
  • Utilizar medicação anti-inflamatória e analgésica prescrita por médico;
  • Uso das palmilhas Pés Sem Dor;
  • O uso de bengala no lado contralateral reduz a carga na articulação;
Significativa diferença de sobrecarga de peso entre pessoa com e sem apoio

4. Significativa diferença de sobrecarga de peso entre pessoa com e sem apoio

Existem casos que, mesmo com o uso de medicamentos orais e fisioterapia, ainda existe uma dor intensa, para isso, pode ser indicada a realização de injeções de medicamentos diretamente na articulação na articulação, as chamadas infiltrações, utilizadas principalmente no joelho. Geralmente são utilizados corticóides (um tipo de anti-inflamatório potente) ou ácido hialurônico (que é um componente lubrificante do líquido sinovial e aumenta a nutrição da cartilagem). Esse é um procedimento invasivo e deve ter prescrição e aplicação somente por médicos.

Para os casos mais graves existe o tratamento cirúrgico. Pode ser realizada uma artroplastia, que consiste na colocação de uma prótese que substituirá a articulação acometida.

palmilha para artrose

5. Palmilha Pés Sem Dor

COMO A PALMILHA PÉS SEM DOR ATUA NA

artrose

Palmilhas são órteses que auxiliam no alinhamento das articulações e funcionamento correto das mesmas. A palmilha Pés Sem Dor promove o alinhamento dos pés, tornozelos e joelhos e eventual desigualdade de membros. Dessa forma, a palmilha alinha os ossos uns sobre os outros, deixando a superfície articular com carga distribuída de forma uniforme. Assim, reduz a sobrecarga e a inflamação nas articulações, ajudando na melhora das dores e diminuindo a progressão do desgaste da superfície articular. Além disso, ela promove melhor a distribuição da pressão plantar e o amortecimento de impacto. Elas são uma ferramenta poderosa no auxílio à redução dos sintomas que a artrose causa.

5. Palmilha Pés Sem Dor

5. Palmilha Pés Sem Dor

Sorteio encerrado “O salto alto e a mulher brasileira”. Clique aqui e saiba quem são as 6 ganhadoras!