Disque 4003-8033   ou

Dor no dorso do pé

Também conhecido como peito do pé, o dorso é a parte de cima de uma região chamada mediopé.

Estrutura do mediopé

Estrutura do mediopé

 

A principal articulação do dorso fica entre os ossos navicular, o tálus e o calcâneo. Sua função é dar mobilidade para os movimentos, de modo que a absorção de impactos, a estabilidade e a adaptação às superfícies sejam eficientes durante o caminhar.

Além dos ossos e articulações, o mediopé é formado por outras estruturas como artérias, nervos, ligamentos, músculos e tendões, e por esse motivo reclamações de dores no dorso são bem comuns.

 

Na imagem abaixo, está a região DO dorso e algumas das estruturas dos pés:

dor no dorso do pé peito ossos estrutura

1. Região do dorso do pé e estruturas relacionadas

DIAGNÓSTICOS RELACIONADOS

 

Dor na região do dorso do pé

As dores no dorso do pé acontecem, em grande parte das vezes, nos ossos dos metatarsos, ossos do tarso e articulações. Podem estar relacionadas a diversos fatores, como fraturas por estresse, tendinites, artroses, alterações, algumas deformidades nos pés e sobrecarga local.

O costume de utilizar sapatos muito apertados, de bico fino, salto alto e fazer atividades físicas de alto impacto são alguns dos principais fatores que causam a dor no dorso do pé, com a possibilidade de que se torne uma dor crônica.

Ao sentir as dores no dorso, é muito importante encontrar um médico especializado para informar o diagnóstico correto e os possíveis tratamentos, já que essas dores podem afetar a rotina de qualquer pessoa. Dependendo do caso, elas podem vir acompanhadas de vermelhidão, inchaço e dificuldade de andar ou mesmo ficar de pé.

 

O alinhamento e a dor no dorso do pé

O alinhamento dos pés e a altura do arco também podem ser apontados como fatores que causam dor no dorso, já que alteram o amortecimento e a distribuição de carga do corpo durante as atividades. Essas funções podem perder um pouco da eficiência em pessoas que possuem pés cavos. Eles apresentam um aumento da curvatura do arco plantar, aquela curva no meio do pé, e também são mais rígidos e tendem a ocasionar com mais frequência a dor no dorso.

 

Principais patologias que causam dores no dorso do pé

Essa patologia, é uma doença degenerativa e progressiva que afeta as articulações. Quando há um desgaste na articulação dos ossos, pode, consequentemente, causar dor no dorso do pé.

A artrose na região de mediopé pode ocorrer devido à sequela nesta região. Alguns exemplos:

Fratura de Lisfranc: fratura que ocorre nas articulações tarsometatarsais, comumente conhecida como articulação de lisfranc. Essas articulações unem os ossos do mediopé com os do antepé e tem a função de adequar e auxiliar o caminhar. Elas frequentemente sofrem lesões diretas ou indiretas, o que pode ocasionar fraturas e danos nos tecidos do pé. Caso ocorra uma fratura e, em consequência, artrose desta articulação, provocará dor forte, dificuldade de caminhar e instabilidade articular;

Osteocondrite: essa patologia ocorre quando uma parte do osso e sua cartilagem perdem seu suprimento sanguíneo. Normalmente os sintomas levam a incapacitações, rigidez articular e a dor está presente, assim como inchaço e deformidades no pé. Quando não tratada de forma correta, pode causar alterações precoces na estrutura das articulações e contribuir para a um processo de desgaste degenerativo das cartilagens.

 

Essas deformidades, que afetam 11,4% da população brasileira influenciam bastante na dor no dorso do pé, uma vez que os dedos dos pés ficam arqueados continuamente, causando retração, encurtamento e sobrecarga dos músculos e ligamentos, além do desalinhamento do arco. Essas dores podem ser potencializadas principalmente se a pessoa utiliza sapatos inadequados, o que pode causar lesão e calos nos dedos, além de problemas de artrite, portanto, é preciso tomar cuidado, pois pode evoluir para uma deformidade severa, levando a dor, perda de força e do controle dos dedos e do pé.

 

  • Fraturas por estresse

A causa mais comum de dores repentinas no dorso é a fratura por estresse dos ossos do pé, geralmente em algum dos metatarsos, região bem próxima aos dedos do pé. Esse tipo de fratura é muito pequena, mas provoca um desconforto enorme, principalmente quando se trata de uma fratura em um osso que auxilia no suporte de peso. A sobrecarga repetitiva do pé ou o aumento repentino nas atividades são os principais motivos desse tipo de fratura, que, apesar de estar relacionada com uma fraqueza muscular, é bem comum em atletas e corredores. Pode se agravar se não for tratada, causando inchaços, dor, hematomas e enfraquecimento das estruturas dos pés.
 

  • Tendinite tibial anterior

Essa tendinite é uma inflamação e degeneração causada pelo estresse excessivo em um músculo que fica na parte da frente da canela e é responsável pela flexão dorsal, quando puxamos a ponta do pé para cima. Quando o músculo se contrai, ocorre uma tensão no tendão e se houver um excesso de tensão devido à repetição de movimentos, o tendão pode sofrer danos, como degeneração e ocasionar inflamação.

Exercícios inapropriados, corrida e caminhada em superfícies irregulares, pronação excessiva, obesidade ou a própria fraqueza do músculo são alguns fatores de estresse para o tibial anterior.

 

O TRATAMENTO DA DOR NO DORSO DO PÉ

Para evitar as dores, é necessário tomar alguns cuidados, que apesar de parecerem simples, fazem toda a diferença. Bons exemplos são não utilizar sapatos muito apertados, muito menos apertar demais os cadarços, pois pressionam o peito do pé e incomodam os tendões, as veias e os músculos da região. Evitar a sobrecarga do sistema muscular, como em treinos e atividades físicas intensas e de impacto. Duas dicas são obrigatórias: proteger-se (evitando traumas e novas lesões) e descansar (reduzindo as atividades que causam dor). Elevar o pé e fazer compressas de gelo também pode ajudar.

As dores no dorso do pé podem não significar nada muito grave, porém, um médico deve ser consultado, e, em casos de desalinhamentos, um fisioterapeuta pode ajudar na melhora dos sintomas.

Seguem outras recomendações:

  • Fisioterapia: a realização da fisioterapia auxilia no controle do processo inflamatório. Através de técnicas de analgesia, eletroterapia, cinesioterapia, terapias manuais, a fisioterapia também promove a redução do quadro álgico e melhora da funcionalidade das estruturas comprometidas;

 

  • Alongar-se: fazer alongamentos nas pernas e nos pés pode melhorar a flexibilidade das articulações, fortalecer os músculos e diminuir os problemas causados por estresse e outras patologias;

 

  • Controle de atividades físicas: realizar exercícios e atividades físicas é sempre bom para a saúde de forma geral, mas, muitas vezes, o esforço excessivo pode prejudicar e causar dor no dorso, por isso é preciso limitar o tempo e quantidade de atividades;

 

  • Uso de palmilhas Pés Sem Dor: as palmilhas Pés Sem Dor ajudam bastante na melhora da dor no dorso, e mesmo para evitá-la posteriormente. Tem funções claras de realinhamento e suporte do pé, auxiliando na reeducação da marcha e corrigindo eventuais alterações da pisada;

 

DICAS PARA ALIVIAR A DOR NO DORSO

• Gelo: aplicar gelo no local da inflamação, de 2 a 3 vezes ao dia;

• Spray anti-inflamatório: tem o poder de aliviar momntaneamente a dor na região lesionada, mas de fato não cura a inflamação;

• Sais de Epsom: Os sais de Epsom possuem ação anti-inflamatória e calmante, melhorando a circulação do sangue. Os minerais presentes ajudam a relaxar a musculatura do pé e consequentemente aliviar a dor no dorso do pé.

  • Ingredientes
  • • 5 xícaras de água;
  • • 4 colheres de sais de Epsom.
  •  

  • Modo de preparo
  • • Coloque a água para esquentar, mas não deixe por muito tempo. A água precisa estar em uma boa temperatura para colocar os pés;
  • • Despeje a água em uma bacia e adicione os sais. Depois mergulhe os pés na água e mantenha por 20 minutos.

 

COMO PREVENIR A DOR NO DORSO DO PÉ

  • • Exercícios: para fortalecer as estruturas do pé são muito recomendados, exemplo:

    Puxe uma toalha com os dedos dos pés. Faça de 10 a 15 repetições, de 3 a 4 vezes por dia;

  • • Corrigir erros de pisada e alinhamento dos pés e joelhos.
  • • Usar palmilhas Pés Sem Dor.

 

COMO A PALMILHA PÉS SEM DOR

O uso de palmilha Pés Sem Dor é essencial para evitar e melhorar a dor no dorso, pois ela proporciona o realinhamento do pé e o suporte da região do mediopé, aliviando e eliminando as dores. Durante a avaliação, os pés, tornozelos e joelhos são posicionados estrategicamente no escâner 3D, um equipamento tecnológico que compreende todas as medidas do pé, incluindo altura do arco plantar, comprimento e largura, de forma que o alinhamento da pessoa se torne natural. Dessa forma, as palmilhas terão as elevações necessárias para o apoiar adequadamente as estruturas que mantem o arco do pé em sua posição ideal.

Sendo assim, os ossos, músculos e tendões tem suas funções auxiliadas pelo o uso das palmilhas, e a sobrecargas distribuídas para outros pontos, proporcionando bem-estar e conforto a todo momento do dia, principalmente para pessoas que ficam em pé ou sentadas por muito tempo.

 

dor dorso pé peito palmilha pés sem dor

2. Palmilha com apoio de arco alto, que acomoda o arco plantar.