A influência do período em pé ou andando nas dores

Uma das mais importantes relações encontradas na pesquisa foi entre o nível de dores nos pés, tornozelos e joelhos e o tempo que as pessoas passam em pé ou andando.

Na pesquisa, foi perguntado quanto tempo as pessoas conseguem ficar em pé sem sentir dor nos pés, tornozelos e joelhos. Surpreendentemente, foi descoberto que 65% das pessoas não aguentam mais que 3 horas em pé sem sentir dor. Já com 6 horas ou mais em pé esse número salta para 90%.
 
Imagem de uma tabela com a relação entre o gênero e a intensidade de dor em menos de uma hora.
 
Esse dado pode ser comparado com o tempo que as pessoas ficam em pé ou andando em uma jornada de trabalho, que é de 5,03 horas em média. Ou seja, pode-se concluir que grande parte dos trabalhadores tem dores nos pés, tornozelos ou joelhos durante o trabalho.

Outro ponto importante para se salientar é que além da incidência de dor aumentar com o tempo em pé, a intensidade de dor também aumenta.

Utilizando uma regressão linear essa relação provou-se bastante significante (R²=0,96 para mulheres e R²=0,88 para homens). Portanto é possível afirmar que, a cada 1 hora em pé a mulher tem um aumento de 0,33 na intensidade da dor e os homens 0,31.
 
Gráfico com a relação entre a intensidade das dores no pé  e as horas andando.
Foto de um homem operando uma máquina no pátio de uma fábrica.
 
O mesmo tipo de relação foi encontrado para as dores nos tornozelos e joelhos. Contudo, a progressão da dor é menor.
 
Gráfico com a relação entre as dores no tornozelo com as horas andando.
Gráfico com a relação entre as dores no joelho com as horas andando.
 

Clique nos links abaixo para saber mais detalhes sobre a pesquisa “O trabalho e a relação com os pés, tornozelos e joelhos”.

Características dos trabalhadores do estudo

Características do trabalho

Problemas nos pés causados pelo trabalho

Consequências econômicas do tempo em pé e as dores

Característica dos pés