Disque 4003-8033   ou

Palmilha para dores

As dores nos pés, joelhões e tornozelos podem ser causadas por diversas razões, e atrapalham muito os brasileiros nas atividades do dia a dia. Sabe-se hoje que uma das maneiras mais eficazes de combater esses incômodos é através de Palmilhas Sob Medida. Entenda aqui o panorama das dores no Brasil e o porquê das palmilhas.

 

PREVALÊNCIA DAS DORES NA POPULAÇÃO BRASILEIRA*
A população brasileira tem uma alta prevalência de dores nos pés, tornozelos e joelhos:

– 80% dos homens e 90% das mulheres têm ou já tiveram dores nos pés;

– 35% dos homens e 47% das mulheres têm dor nos joelhos;

– 23% dos homens e 35% das mulheres têm dores nos tornozelos.

 

Dados retirados da pesquisa “Os Pés Brasileiros – Um estudo profundo com 26.339 pessoas”.

 

CAUSA DAS DORES

As dores nessas regiões são causadas por vários motivos, desde fatores que não se podem mudar, como sexo, idade e tipo de pé, até fatores comportamentais, como tempo em pé, peso, atividade física e tipo de calçado. A seguir, explicaremos com maiores detalhes cada um desses fatores.

Tipo de pé
O tipo de pé é determinado pela porção da planta do pé que encosta no chão quando pisamos. No pé normal, metade do arco plantar encosta no chão. No pé cavo, apenas uma pequena parte encosta (veja na figura abaixo), enquanto que o pé chato encosta praticamente o arco inteiro. Pessoas com pés cavos ou chatos têm mais chance de desenvolver dores nos pés, tornozelos e joelhos.

 

Incidência dos tipos de pé

Incidência dos tipos de pé

 

Calçados
Diferentes tipos de calçados podem provocar dores nos pés, especialmente os calçados de salto alto, com bico finos ou com solados duros. Os calçados são feitos em larga escala e por isso são retos na região interna, para servirem em qualquer tipo de pé (chato, normal ou cavo). Dessa forma, não possuem suporte de arco plantar e apoio ideal nas curvaturas dos pés, o que afeta a distribuição de peso durante o caminhar.

 

3. Sapato sem palmilha

Sapato sem palmilha

 

Os sapatos com salto redistribuem a carga aplicada sobre os pés porque elevam o calcanhar e aumentam a descarga sobre os dedos. Abaixo é possível analisar como a distribuição de peso é modificada com o uso do salto alto.

 

distribuição plantar representada em porcentagens de acordo com altura do salto.

Distribuição plantar de acordo com altura do salto.

 

Idade
Outro fator importante e que contribui para a ocorrência de dor é a idade. Pessoas com mais idade têm mais dores nos pés devido à atrofia muscular, ao enrijecimento das articulações e ao desgaste natural do corpo. Elas também apresentarem maiores chances de desenvolver outras doenças que podem conduzir ao desgaste e desalinhamento estrutural, como a Artrose.

Sexo
A diferença biológica entre o corpo feminino e masculino afeta diretamente a probabilidade de os indivíduos desenvolverem dores nos pés, tornozelos e joelhos. O sexo feminino é mais afetado do que o sexo masculino em todas as faixas etárias.

 

4. Gráfico mostrando percentual de pessoas com dores nos pés sempre ou muitas vezes em relação ao sexo e à idade.

Gráfico mostrando percentual de pessoas com dores nos pés sempre ou muitas vezes em relação ao sexo e à idade.

 

A alta diferença entre homens e mulheres apontada no gráfico pode estar relacionada ao fato de as mulheres usarem salto alto, sapatos de bico fino e calçados mais apertados, assim como fatores biomecânicos e hormonais. Além disso, as mulheres possuem maior pré-disposição à artrite, grupo de doenças que atinge as articulações.

 

Sobrepeso
O peso é um fator ligado diretamente com as dores nos pés. Os nossos pés são responsáveis por suportar todo o peso do corpo. Logo, quanto mais peso, maior a pressão que o pé terá que suportar. Além disso, a sobrecarga constante pode provocar lesões no tecido ou até mesmo doenças como esporão de calcâneo.

 

Gráfico mostrando percentual pessoas com dor sempre ou muitas vezes em relação ao IMC (Índice de Massa Corpórea)

Gráfico mostrando percentual pessoas com dor sempre ou muitas vezes em relação ao IMC (Índice de Massa Corpórea)

 

Tempo em pé
Muitas pessoas relatam que a dor no pé aumenta quando passam muito tempo em pé. Isso acontece por conta da constante sobrecarga nos pés, sem tempo de recuperação para os tecidos, o que deixa a região vulnerável às lesões.

 

Dores nos pés sempre ou muitas vezes em relação ao tempo em pé

Dores nos pés sempre ou muitas vezes em relação ao tempo em pé

 

Sedentarismo
A prática ou não de atividade física é mais um fator que está relacionado à presença de dores na população. Praticantes de atividade física têm menos dores nos pés quando comparados com pessoas sedentárias (que não praticam atividade física). Isso deve-se à falta de preparo físico e força muscular dos não praticantes, que ficam com as articulações menos estáveis e mais propensas às lesões.

 

Dores nos pés sempre ou muitas vezes em relação à prática de atividade física

Dores nos pés sempre ou muitas vezes em relação à prática de atividade física

 

LOCAIS ONDE VOCÊ PODE SENTIR DOR

As dores podem aparecer em diferentes regiões do pé ou perna, independentemente do motivo pelo qual a pessoa as desenvolve. A seguir, um diagrama que representa os locais mais comuns de dor:

Diagrama de dores

Diagrama de dores

 

As pessoas têm, em média, entre 2 e 3 locais de dores ao mesmo tempo. A região mais atingida é o calcanhar, com uma incidência aproximada de 40%, seguida pelos metatarsos (30%) e pelo arco do pé (25%).

 

DIAGNÓSTICO DE DORES

Muitas das dores nos membros inferiores podem representar uma patologia específica, que geralmente ocorre devido a um estresse contínuo sobre os ligamentos, a fáscia e ossos do pé, causando inflamação e dor. As patologias mais comuns são:

 

Fascite Plantar
Trata-se de uma inflamação na fáscia plantar – tecido que se estende do calcanhar até a base dos dedos. Os sintomas são: dor na região da sola do pé e no calcanhar. Esses incômodos pioram com o exercício físico e, para evitá-los, deve-se alongar a fáscia, alinhar o pé e dar suporte ao arco plantar. Leia mais sobre Fascite Plantar.

 

9. Fascite Plantar

Fascite Plantar

 

Esporão de Calcâneo:
A protuberância óssea surge no calcanhar devido ao excesso de pressão. O esporão é muito comum em pessoas obesas e pessoas que andam batendo o calcanhar no chão, porque esses fatores aumentam a pressão no local. Nesses casos é normal sentir pontadas no calcanhar, principalmente na primeira pisada do dia. Os incômodos, na verdade, atingem os tecidos na região do calcâneo, porque o esporão em si não causa dores. Para esses casos, deve-se retirar a pressão que é depositada nos tecidos que revestem o calcanhar. Leia mais sobre esporão de calcâneo

 

Esporão de calcâneo

Esporão de calcâneo

Metatarsalgia
A metatarsalgia é uma dor nos ossos do metatarso, causada por pressão excessiva. Normalmente, esse desconforto é descrito como dor na região “gordinha” do pé, na parte anterior aos dedos. Para esses casos, deve-se melhorar o suporte do arco do pé, com o objetivo de retirar a pressão dos metatarsos. Coloca-se também uma elevação(piloto) próxima aos ossos para melhorar o posicionamento entre eles. Leia mais sobre Metatarsalgia .

 

Metatarsalgia

Metatarsalgia

Neuroma de Morton
O Neuroma de Morton é uma evolução da dor nos metatarsos causada por um espessamento do nervo que passa entre os dedos. Os sintomas dessa doença são: dormência, incomodo entre os dedos e dor em choque, ao pisar ou ao comprimir a parte frental dos pés.

 

Neuroma de Morton

Neuroma de Morton

Sesamoidite
Inflamação de dois pequenos ossos localizados abaixo do 1° metatarso. Essa lesão é causada pelo excesso de pressão na região, normalmente ligada à pisada pronada (quando o pé desvia para dentro) ou ao uso de salto alto. Para esses casos, deve-se retirar a pressão do primeiro metatarso, melhorando o apoio no arco plantar e colocando o piloto (sutil elevação abaixo dos metatarsos).

Sesamoidite

Sesamoidite

 

Dor nos tornozelos
Geralmente, as dores na região são causadas por desalinhamentos dos pés e erros de pisada. Para esses casos, é preciso identificar para que lado a pisada está desalinhada. Em pisadas pronadas (quando o pé desvia para dentro), coloca-se uma elevação interna na palmilha para a correção do desvio. Nas pisadas supinadas (desvio do pé para fora), coloca-se uma elevação lateral para obter o alinhamento ideal do tornozelo. Leia mais sobre Dor no Tornozelo

 

Tipos de pisada

Tipos de pisada

Dor nos joelhos
As dores nos joelhos são comuns porque esta articulação fica constantemente instável. Normalmente, a dor está ligada ao desalinhamento do joelho, que pode ocorrer por um erro de movimento ou pelo desvio dos ossos. A correção do desalinhamento também é feita a partir da identificação da direção do desvio e das elevações laterais (feitas com cunhas). Leia mais sobre Dor no Joelho.

 

25. A linha vermelha mostra tornozelos e joelhos desalinhados e linha azul mostra a correção do alinhamento pela colocação da palmilha nos pés.

25. A linha vermelha mostra tornozelos e joelhos desalinhados e linha azul mostra a correção do alinhamento pela colocação da palmilha nos pés.

 

DEFORMIDADES

Joanete
Trata-se de um desalinhamento progressivo do dedão (halux) em direção aos outros dedos. Nesses casos, é necessário dar suporte ao arco plantar para corrigir a pronação, e melhorar o posicionamento dos metatarsos (piloto) com o intuito de evitar a progressão da deformidade.

 

Dedos em garra e dedos em martelo
Essa doença é uma consequência do desalinhamento dos dedos, causado por um desabamento do arco dos metatarsos. Para esses casos, deve-se moldar um suporte ao arco dos metatarsos através de um piloto (sutil elevação abaixo dos metatarsos).

 

Dedo em garra / dedo em martelo

Dedo em garra / dedo em martelo

 

 

O PROBLEMA DOS CALÇADOS

Como mencionado anteriormente, os calçados podem ser um grande causador de dores nos pés. E o problema dos calçados vai além dos sapatos desconfortáveis.

Biologicamente, fomos “desenvolvidos” para andarmos descalços, e nossos pés foram estruturados para se adaptarem em diferentes tipos de terreno. No entanto, mal aprendemos a andar e já calçamos os sapatos para proteger nossos pés do chão e da sujeira. Tal costume fez com que a musculatura dos pés não se desenvolvesse de maneira ideal, deixando o tecido muscular menos ativo e mais propenso a lesões.

 

Antigamente

Antes da utilização de calçados

 

 19. Atualmente

Durante a era dos calçados

 

Outra questão é a fabricação de calçados em massa. Esse modelo de produção ignora as diferenças entre tipos de pés, idade, peso e dores. No Brasil, ainda não há opção de sapatos com diferentes larguras. Isso cria um problema, pois as pessoas com pés mais largos ou mais estreitos têm dificuldade para acomodá-los nos diferentes tipos de calçados existentes.

Além disso, a maioria dos calçados são vendidos pensando apenas na moda e na aparência. As próprias pessoas, principalmente as mulheres, tendem a comprar calçados menores que o ideal, apenas para não ficarem com a aparência de pés grandes. E geralmente os homens tendem a comprar calçados muito maiores que o recomendado. O ideal é que o calçado tenha cerca de 1cm de folga no comprimento e não aperte os dedos

 

Diagrama dos sapatos com tamanhos errados

Diagrama dos sapatos com tamanhos errados

 

Para os calçados curtos demais, que causam dor, não existe solução e muitas vezes as pessoas precisam comprar outro par. Já para os calçados maiores, o ajuste pode ser feito com palmilhas que acomodem melhor os pés aos calçados.

 

A PALMILHA®

Uma solução para todos esses problemas citados, e para as dores geradas por eles, é a aplicação de uma interface entre o pé e o calçado. Essa interface é uma Palmilha Sob Medida, que personaliza o calçado. A Palmilha elimina as dores e aumenta o conforto, inclusive as que apareceram por conta dos calçados muito compridos.

 

Pé com e sem palmilha

Pé sem palmilha e com palmilha

 

O principal benefício da Palmilha é a eliminação das dores através da redistribuição das pressões plantares. A Palmilha possui curvas e elevações específicas, chamadas de correções, que aumentam a área de contato do pé com o solo e diminuem os picos de pressão na sola dos pés.

Abaixo, uma imagem representando as pressões na sola dos pés de uma pessoa sem e com palmilhas, medidas com um moderno equipamento alemão de mensuração, chamado Pedar. A cor rosa representa pontos de muita pressão, e a cor preta significa pouca pressão.

 

Comparativo das pressões plantares sem o uso de palmilha e com o uso de palmilha, respectivamente.

Comparativo das pressões plantares sem o uso de palmilha e com o uso de palmilha, respectivamente.

 

 

Aparelho PEDAR – Permite a medida das pressões plantares dentro do calçado

Aparelho PEDAR – Permite a medida das pressões plantares dentro do calçado

 

Outro benefício da palmilha é a correção biomecânica. A palmilha sob medida melhora o alinhamento dos pés, tornozelos e joelhos, mantendo-os em uma posição neutra. Isso permite uma boa distribuição de carga por todo o membro inferior, eliminando áreas de compressão, como ilustra a imagem abaixo.

Colocação do pé em neutro – Alinha os tornozelos e joelhos

Colocação do pé em neutro – Alinha os tornozelos e joelhos

 

 

COMO PERSONALIZAMOS AS PALMILHAS

Baropodômetro: aparelho que permite a identificação das áreas de hiperpressão no pé.

 

realização da avaliação no baropodometro

 

Escâner 3D: aparelho que capta todas as curvaturas da planta do pé com tolerância de 1 mm.

delcam-300x200

 

Desenho Computadorizado CAD: software que adapta a palmilha perfeitamente ao arco plantar e insere as correções que corrigem a pisada e redistribuem a pressão plantar.

Projeto do desenho

desenho da palmilha sob medida

 

As correções mais comuns feitas pelo Desenho Computadorizado são:

– Suporte de arco para adaptar e redistribuir a pressão nos diferentes tipos de pé;

 

arco plantar

 

– Elevação atrás dos metatarsos (piloto retrocapital), para retirar a pressão dos metatarsos;

 

piloto

 

– Cunhas de elevação medial ou lateral para corrigir e alinhar a pisada;

 

cunha interna externa

 

– Elevação do calcanhar para retirar a pressão concentrada na parte de trás;

 

elevação

 

– Pontos de alívio para diminuir o atrito entre o pé e a palmilha em áreas sobrecarregadas.

depressao

 

FABRICAÇÃO DE PRECISÃO

Após a avaliação minuciosa feita por um especialista, e de um completo escaneamento dos pés feito por equipamentos tecnológicos, as palmilhas são desenhadas e enviadas para a fábrica – local em que são confeccionadas.

A palmilha é fabricada por tecnológicas impressoras 3D. Esse equipamento garante que o produto final seja fiel ao desenho projetado. Além disso, por ser constituída de filamentos de TPU (poliuretano termoplástico), ela possui resistência e flexibilidade que garantem mais conforto e durabilidade.

 

Impressoras 3D

Impressoras 3D

 

RESULTADOS

Com todo esse conhecimento a respeito da incidência e causa das dores na população, somado a um excelente processo de avaliação e produção de palmilhas, alcançamos ótimos resultados:

 

– Mais de 50 mil pessoas atendidas e satisfeitas;

– 97% das pessoas atendidas ficam satisfeitas;

– Não somos perfeitos, mas chegamos perto disso. Apenas 3% não têm a sua dor resolvida;

– Nós oferecemos uma vida sem dor nos pés, tornozelos e joelhos, por meio de conhecimento, engenharia e atendimento personalizado por um fisioterapeuta;

– O custo desse benefício é muito pequeno, especialmente porque nós ajudamos a eliminar dores persistentes e não apenas dores pontuais. Não custa mais que um bom par de tênis;

– As dores são resolvidas por um longo período de tempo (anos).

 

BENEFÍCIOS

– Fique sobre os seus pés por mais tempo e sem dor;

– Pratique atividade física sem dor;

– Exerça as suas atividades sociais sem dor;

– Volte a fazer as atividades que gosta;

– Sem remédios ou intervenções, sem risco nem contraindicações.