O calcanhar de Aquiles

18 de abril de 2018

O calcanhar de Aquiles: Da história à vida real

Todos já ouvimos falar sobre o calcanhar de Aquiles, é usado até hoje como o ponto fraco de uma pessoa. Será que Aquiles existiu? A guerra de Troia existiu? Tudo aquilo era verdade ou apenas ficção?

Introdução

A guerra de tróia foi travada na idade do bronze entre Troia e Grécia. Estima-se que ocorreu cerca de 1.300 a.C. e durou cerca de uma década.

Os registros que temos disponíveis estão em dois poemas épicos: a Ilíada que fala sobre a batalha em específico e Odisseia, que fala sobre a volta de Ulisses pra casa.

Conforme registros arqueológicos, Troia estava localizada onde hoje se encontra a Turquia Ocidental. O motivo que se deu para uma batalha com a Grécia foi devido à fuga ou sequestro da Rainha Helena, de Esparta, fugindo com o príncipe de Troia, Paris. A situação toda enfureceu Menelau, rei espartano, que declarou cerco à troia.

Nesta busca por vingança, Menelau convenceu o irmão Agamenon, também rei em Micenas a liderar a empreitada atrás da Rainha, que por sua vez se juntou com Aquiles, Ulisses, Nestor e Ajax, apoiados por uma frota de mil navios. Após a travessia do Mar Egeu, os gregos sitiaram Troia por dez anos.

Arte sobre a guerra de Troia

Arte sobre a guerra de Troia

O famoso cavalo de Troia

Até hoje usa-se a expressão “presente de grego”. No grande mito diz-se que a guerra teve fim com o cavalo de troia, ideia de Ulisses (personagem principal da Odisseia). Os gregos deram um cavalo de madeira como oferta de paz, fingindo estar embarcando para voltar para a Grécia, dentro do cavalo estava toda a elite de soldados gregos e conseguiram passar pelos portões e se instalar dentro da cidade, então depois de Troia festejar a vitória durante a noite, os gregos se libertaram do cavalo e atacaram Troia, que despreparada para o ataque sucumbiu.

A rainha Helena voltou para a Grécia, mas foi exilada como vingança do rei Menelau por tantos anos de guerra e sofrimento. A história pode ser encontrada nas obras Ilíada e Odisseia, de Homero, teriam sido escritas em 750 a.C. e 725 a.C. respectivamente. As histórias se mantiveram via oral após séculos depois da guerra. Os principais episódios, como o uso do cavalo, seguem o modelo narrativo denominado “ciclo épico”.

O imaginário em torno da guerra de Troia inspirou o poeta romano Virgílio a escrever “Eneida”, no século I a.C.

Cavalo de Troia

Cavalo de Troia

Aquiles e seu calcanhar

Aquiles era um semideus que estava fadado à morrer jovem em batalha, é o personagem principal da Ilíada. Temendo seu destino, sua mãe Tétis o mergulhou ainda bebê no rio Estige, também conhecido como rio infernal. Sua mãe o fez para que ele viesse a se tornar invencível, porém ela estava segurando Aquiles pelos calcanhares que não se banharam nas águas, tornando seu ponto fraco.

Sua mãe ainda tentou disfarçar Aquiles de mulher, mas quando o rei Ulisses descobriu ordenou que ele fosse encontrado e assim aconteceu que ele foi descoberto, como o grande guerreiro que era seus feitos se perpetuaram.

Como a história conta, sua morte se deu devido à uma flecha envenenada que o atingiu no calcanhar.

Estátua de Aquiles

Estátua de Aquiles

Aspectos fisiológicos sobre o tendão de Aquiles

Agora que conhecemos a história podemos saber mais sobre as dores no tendão de Aquiles. Para conhecer mais sobre uma das patologias mais comuns que atinge os pés clique aqui.

Fontes:
Toda matéria
Pés Sem Dor