Disque 4003-8033   ou

Artrite

A artrite é o nome de um conjunto de doenças responsáveis pela inflamação das articulações. Existem muitas variações de artrite, sendo as mais comuns a psoríase a osteoartrite e a artrite reumatoide. Elas podem ser causadas pela obesidade, idade avançada, histórico familiar e lesões recorrentes. É muito comum que quem tem artrite sinta dores na articulação afetada (pé, joelho, tornozelo etc) e perceba inchaço e vermelhidão no local. Veja abaixo as principais causas, sintomas e tratamentos da doença.

Ilustração explicativa sobre articulação com artrite e sem

Ilustração explicativa sobre a artrite

CAUSAS

Acredita-se que o desgaste natural da articulação, por conta do avançar da idade, seja o principal responsável pelo desenvolvimento da doença. Por isso que ela é mais comum em pessoas idosas. Entretanto, outros motivos também podem ter influência no processo, como:

– Genética: a má formação dos membros ou o histórico familiar da doença aumentam as chances de artrite;

– Desalinhamento: a sobrecarga articular causada pelo desalinhamento dos membros inferiores (joelho valgo e varo e pisada pronada e supinada) aumenta a probabilidade de uma inflamação nas articulações;

– Lesões: a recorrência de incidentes traumáticos no esporte, no trabalho ou durante a vida pode comprometer a integridade do tecido articular;

– Obesidade: o excesso de peso aumenta a quantidade de carga nas articulações, o que pode acelerar seu desgaste;

– Infecções: a presença de bactérias, vírus ou fungos dentro do corpo pode causar a inflamação das articulações;

– Distúrbios autoimunes: acontece quando o organismo começa a atacar os próprios tecidos do corpo humano. Doenças musculares, circulatórias e ósseas também podem causar artrite. Neste caso, é muito comum o desenvolvimento da artrite reumatoide;

– Doenças metabólicas: doenças que causam formações de cristais dentro das articulações (gota, por exemplo) podem inflamar a articulação e, consequentemente, provocar os sintomas da artrite.

SINAIS E SINTOMAS

Os sintomas de artrite evoluem lentamente e estão relacionados à inflamação das articulações. Por isso, eles podem surgir em qualquer “junta” do corpo e limitar os movimentos. Os sinais e sintomas da artrite aparecem, principalmente, nas mãos, punhos, joelhos e pés, porque. É comum que eles incluam:

– Rigidez articular;

– Dor nas articulações;

– Vermelhidão na pele e ao redor da articulação;

– Aumento da temperatura na articulação atingida.

Além dos já citados, é importante estar atento a:

Dor inexplicável e forte bem localiza;

Aumento do tamanho de uma articulação;;

Febre localizada, associada a uma vermelhidão;

Sensação de peso ao movimentar uma articulação;

Redução significativa do peso brusca e involuntária;

Dores persistentes na articulação (superiores a 3 dias).

TIPOS DE ARTRITE

Artrose ou Osteoartrose
Essa doença desgasta a cartilagem que envolve os ossos e tem caráter degenerativo e progressivo (ela destrói as estruturas ao longo do tempo). São muitos os fatores que podem ajudar a desenvolver a artrose, e os mais importantes são os traumas, a sobrecarga e o desalinhamentos dos pés, tornozelos e joelhos. Estima-se que mais de 10 milhões de brasileiros convivam com a doença, porém menos da metade sabe do diagnóstico. Conforme a patologia evolui, fica cada vez mais difícil movimentar a articulação afetada, sendo que as mais atingidas são aquelas que recebem o peso do corpo, como o quadril, joelho e o pé.

A artrose é rara antes dos 40 anos e muito comum após os 60 anos. Acreditava-se que a artrose fazia parte do processo natural do envelhecimento humano, porém hoje sabemos que ela é uma consequência das agressões que as articulações sofrem ao longo da vida. Os estudos mais recentes já comprovaram que é possível modificar o curso evolutivo da doença e diminuir os sintomas de dor e o processo degenerativo das articulações.

Ilustração de um joelho saudável e  um joelho com cartilagem afetada

Ilustração de um joelho saudável e um joelho com cartilagem afetada pela artrose

 

Artrite Reumatoide (Artrite Anquilosante)
É uma doença crônica de caráter inflamatório autoimune (as células do sistema imunológico atacam os tecidos do próprio organismo). Essa patologia está associada a fatores genéticos e afeta 1% da população mundial, sendo mais comum nas mulheres do que nos homens.

A artrite reumatoide pode atingir qualquer articulação do corpo e é muito comum nos pés, mãos e punhos. Ela também atinge alguns órgãos, como os pulmões e a pele. Por conta dos danos que ela provoca na cartilagem, a região afetada pode ser deformada ou entrar em processo de erosão óssea. De acordo com o Colégio Americano de Reumatologia, o diagnóstico pode ser feito quando a pessoa apresenta, por mais de 6 semanas, 4 das 7 características apontadas abaixo:

– Inflamação de, no mínimo, três articulações;

– Artrite nas mãos ou nos punhos;

– Artrite simétrica (inflamação articular nos dois lados do corpo e ao mesmo tempo);

– “Caroços” que se formam nas proximidades das articulações, algo que é muito comum nas mãos e dedos (nódulos reumatoides);

– Presença de anticorpos específicos no sangue, conhecidos como fator reumatoide;

– Alterações articulares constatadas por exame de imagem, com presença de erosões ou descalcificações nas mãos e nos punhos.

 

Gota
A gota, também conhecida como artrite gotosa, é uma variedade de artrite caracterizada pela inflamação das articulações, devido à alta taxa de ácido úrico no sangue. Essa substância é produzida naturalmente pelo organismo e é resultado do metabolismo das purinas (proteínas encontradas em diversos alimentos). Quando o ácido úrico fica acumulado no sangue, são formados cristais que podem causar a inflamação das articulações.Pessoas com problemas no fígado ou nos rins apresentam um excesso de ácido úrico no sangue, pois esses órgãos são os responsáveis pelo equilíbrio metabólico do organismo. O excesso de ácido úrico no corpo pode acumular nas articulações, formando cristais que normalmente escolhem uma única articulação.

A Gota afeta mais os homens de meia-idade que estão acima do peso, e, caso não diagnosticada e tratada, ela pode evoluir para uma poliartrite inflamatória. Os principais fatores que podem levar ao desenvolvimento da gota são: desidratação, obesidade, anemia, diabetes, pressão alta, alterações da tireoide, alcoolismo, fatores genéticos e dietas radicais.
Pessoas com gota normalmente sentem dores intensas e pulsáteis nos dedos do pé. Os incômodos são acompanhados de febre local e vermelhidão, que aparecem durante os ciclos de crise. Neste período, a articulação fica mais sensível a qualquer tipo de contato (cerca de 3 a 10 dias).

O início do tratamento consiste em mudar a dieta, reduzindo o consumo de álcool e de carne vermelha. Também é muito importante praticar exercícios leves e utilizar palmilhas sob medida. Quando a doença atinge o estágio crônico, além desses cuidados primários, é necessário repouso, uso de anti-inflamatórios e fazer compressas frias.

 

Imagem ilustrativa de uma gota no dedão do pé.

Articulação com gota

 

Psoríase
A psoríase é uma doença autoimune, caracterizada pelo aparecimento de lesões avermelhadas e escamosas que afeta, principalmente, o couro cabeludo e a pele dos joelhos e cotovelos. Entretanto, essas lesões podem aparecer em qualquer parte do corpo. Na maioria dos casos, a psoríase antecede a inflamação articular (patologia conhecida como artrite psoriásica).

A psoríase afeta os homens e as mulheres da mesma forma. Os estudos apontam que 50% das pessoas que têm pais com psoríase também irão desenvolver a doença, mas isso não significa que todas elas desenvolverão a artrite psoriásica. Normalmente, menos de 20% das pessoas são afetadas por esta condição.

 

Artrite Psoriásica

Artrite Psoriásica

Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES ou apenas lúpus)
Essa é uma doença inflamatória crônica e autoimune, cujos sintomas podem surgir em diversos órgãos, de forma lenta e progressiva (em meses) ou mais rapidamente (em semanas) e variam de acordo com a atividade da doença. Nesta enfermidade, podem ser encontrados quadros de dor articular, rigidez, sinovites fugazes e artrites deformantes não-erosivas (artropatia de Jaccoud) ou erosivas (rhupus).

Aproximadamente 95% das pessoas com lúpus sentem dores articulares, porém os incômodos no local nem sempre apresentam sinais inflamatórios. A artrite, no caso do Lúpus, normalmente acomete mais de quatro articulações e aparece de forma simétrica (acontece nos dois joelhos, cotovelos, tornozelos e etc).

Essa patologia é migratória, pois a inflamação pode desaparecer de um local e aparecer em outro. Não causa deformidade grave ou rigidez matinal como em outros tipos de artrite, mas a dor é muito intensa.

Febre Reumática
É uma resposta à infecção na garganta ocasionada por bactérias (estreptococo). Esta condição provoca febre, dor de garganta, caroços no pescoço (gânglios aumentados), vermelhidão intensa, pontos vermelhos ou placas de pus na garganta. A Febre Reumática é uma doença inflamatória que pode comprometer o coração, o cérebro, as articulações e a pele, principalmente de crianças de 5 a 15 anos.

A artrite da febre reumática é migratória e afeta grandes articulações como joelhos, cotovelo, tornozelo e punhos, sendo que as dores se iniciam geralmente nas pernas e vêm associadas de outros sinais inflamatórios, como aumento de temperatura, vermelhidão e inchaço. O tratamento para esse tipo de problema, em geral, é feito com anti-inflamatórios e repouso.

Espondilite Anquilosante
É doença inflamatória crônica e sem cura que atinge principalmente as articulações da coluna, mas pode atingir também o quadril, os joelhos e os ombros. Tem como característica principal a fusão das vértebras da coluna, o que dificulta a flexibilidade articular e encurva a postura para frente. Em casos graves, as costelas são afetadas e fica difícil respirar profundamente.

Essa doença é mais comum em homens e os sintomas se iniciam na fase adulta. Não existe cura para ela, porém o tratamento precoce evita a progressão e garante que as articulações continuem se movimentando. O objetivo do tratamento é aliviar os sintomas para que a pessoa continue vivendo bem. Yoga, pilates, fisioterapia, hidroginástica e reeducação postural (RPG) são métodos aconselhados para quem tem espondilite anquilosante, mas eles devem ser adaptados para fortalecerem a coluna e facilitarem a mobilidade.

Artrite Bacteriana
Também chamada de artrite séptica, essa infecção pode atingir as articulações após cirurgias ou se espalhar pela corrente sanguínea quando o sistema imune estiver fragilizado. A artrite bacteriana é comum em articulações como joelho e quadril, sendo que os idosos que colocam próteses nessas regiões são os mais afetados.

Os sintomas são dor intensa ao movimentar a região afetada, dificuldade de movimentar a articulação, inchaço e vermelhidão, febre acima de 38ºC, sensação de queimação e irritabilidade. A fisioterapia em casos de artrite séptica é muito importante, pois movimentar a articulação ajuda a inibir a dor e a recuperar os movimentos.

Artrite bacteriana

Artrite bacteriana

Esclerodermia
uma doença rara e autoimune que pode se manifestar inicialmente nas articulações das mãos e é muito confundida com a artrite reumatoide. Existem duas formas da doença: localizada e sistêmica.

A esclerodermia localizada atinge, normalmente, as mãos e rosto. Ela tem evolução lenta, sem grandes complicações, e seus sintomas podem desaparecer espontaneamente. Essa variação da doença afeta mais crianças e pessoas do sexo feminino, porém, quando ela atinge os homens, os efeitos são muito mais graves;

A esclerodermia sistêmica afeta os órgãos internos e certas áreas da pele. Sua evolução é lenta e progressiva, sendo que ela atinge mais as mulheres de 30 a 50 anos. Os sintomas incluem endurecimento da pele das mãos, dos pés e da face. A doença pode evoluir e interromper o movimento da articulação e dos outros locais afetados, por conta do acúmulo de cristais de cálcio sob a pele nas proximidades das articulações.

 

Artrite tem cura?

É importante destacar que ainda não existe uma cura definitiva para a artrite e não há como reverter as eventuais deformidades que ela possa ter causado (como protuberâncias e outros danos ao osso), mas os tratamentos são muito efetivos no retardamento da doença e na eliminação dos sintomas.

 

DIAGNÓSTICO

Para um bom diagnóstico da doença, um reumatologista deve ser procurado. Ele irá avaliar o histórico de dores e lesões, além de realizar exames físicos, laboratoriais e de imagem. Podem ser necessários exames no local da dor para analisar o movimento da articulação e para identificar se a estrutura está rígida. Os exames mais recomendados são:

Exames de sangue para identificar se a pessoa está com anemia ou convive com alguma outra alteração;

Raio-X para verificar do posicionamento e o aspecto geral das articulações;

Tomografia, ressonância magnética e ultrassom para identificar o local das inflamações e o estado das cartilagens e articulações.

Em alguns casos, os médicos optam pela artroscopia: cirurgia feita para examinar o interior das articulações e, ao mesmo tempo, retirar algum tecido local. Muito comum em casos de artrite localizada nos joelhos e no ombro. Assim como os sintomas, os tratamentos vão depender do tipo de doença que está relacionada à artrite. Por isso, a orientação de um profissional especializado é extremamente importante, como de um fisioterapeuta ou reumatologista, pois ele fará o diagnóstico e indicará o melhor tratamento.

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

O objetivo principal do tratamento é reduzir a dor, melhorar o funcionamento da articulação e evitar que o caso piore. Existe um tratamento ideal para cada tipo de artrite, porém algumas dicas ajudam a melhorar a inflamação articular. São elas:

Perder peso (se estiver acima do peso) diminui a sobrecarga sobre as articulações e evita que a doença piore;

Não fique muito tempo na mesma posição, pois isso pode causar dor e enrijecer a articulação;

Mantenha-se hidratado. Isso melhora a circulação no organismo e diminui as chances de artrites metabólicas (gota);

Faça fisioterapia. Os exercícios orientados pelo profissional ajudam a controlar a deformidade óssea e a rigidez muscular;

Pratique atividades físicas com pouco impacto. Fazer exercícios como pilates, natação e hidroginástica ajuda a manter a musculatura resistente;

Em momentos de crise e muita dor, fique em repouso para proteger a articulação;

Fazer compressas frias ajuda a conter a inflamação e amenizar as dores;

Use medicamentos prescritos apenas pelo médico;

Melhore sua alimentação. O consumo de alimentos saudáveis é essencial para tratar qualquer tipo de artrite, principalmente a artrite gotosa;

Massagem local também pode ser uma alternativa, pois estimula a circulação e ajuda a reduzir a rigidez articular. Escolha cremes hidratantes ou que estimulam a circulação, como os de cânfora, mentol e arnica;

Utilizar Palmilhas Pés Sem Dor.

PALMILHAS PÉS SEM DOR® PARA ARTRITE

Para eliminar as dores da artrite, a Pés Sem Dor utiliza aparelhos que detectam os desvios de pisada e o tamanho dos pés, o que permite a confecção de palmilhas específicas para cada um. Isso garante que a palmilha corrija o desalinhamento da pisada, melhore a distribuição das pressões plantares, elimine a sobrecarga e amenize o desenvolvimento da doença.

Conheça nossas palmilhas e veja na prática os seus benefícios.

 

CIRURGIA

O procedimento cirúrgico pode ser necessário em casos de degeneração articular para reconstruir ou substituir a articulação. Porém este método só é recomendado quando o tratamento conservador não surtir efeito. Um dos procedimentos mais realizados, principalmente entre os idosos, é a atroplastia. Este método cirúrgico consiste em substituir a articulação por uma prótese, sendo o quadril e o joelho as partes do corpo mais submetidas a esse tipo de cirurgia.

 

LINKS EXTERNOS SOBRE ARTRITE

1) A fisioterapia na osteoartrose: uma revisão da literatura | Amélia Pasqual Marques e Akemi Kondo;

2) The American Rheumatism Association 1987 revised criteria for the classification of rheumatoid arthritis | Online Library Wiley;

3) Osteoartrite |Grupo Editorial Moreira JR;

4) Measurement of patient outcome in arthritis | Official Journal of the American Rheumatism Association