Disque 4003-8033   ou

 

A Tendinite de calcâneo é uma condição inflamatória do tendão de calcâneo, muito conhecido como Tendão de Aquiles. Normalmente, essa lesão atinge praticantes de atividades físicas e, caso o tratamento não seja eficaz, pode provocar o rompimento do tecido.

Os tendões são formados por um tecido com fibras alinhadas em paralelo que transferem a força dos músculos para os ossos. O tendão de Aquiles é o tecido que prende a musculatura da panturrilha (formada pelos músculos gastrocnêmio e sóleo) ao osso do calcâneo. Ele é o maior e mais forte tendão do ser humano, tendo capacidade de suportar todo peso físico para manter o corpo ereto sobre os pés.

As lesões no tendão de calcâneo estão associadas ao uso excessivo desse tecido durante atividades como correr e saltar. O exagero durante a prática de esportes é um dos principais gatilhos para o desenvolvimento dessa lesão. Os atletas de tênis, badminton, atletismo, voleibol e futebol são os que mais sofrem com a tendinite de calcâneo.

 

Assista ao video abaixo sobre Tendinite:

 

Tendinite X Tendinopatia
Muitos termos já foram utilizados para descrever as dores no tendão de Aquiles. Popularmente, o nome tendinite é o mais usado para definir os incômodos na região do tendão. Porém, sabe-se hoje que o nome mais correto é tendinopatia.

A patologia conhecida como tendinite é apenas a inflamação aguda do tecido que ocasiona inchaço e dores no tendão. Entretanto, estudos recentes relatam que a presença de inflamação ocorre apenas no início das dores, e que após o quadro progredir por algumas semanas, esse tecido começa a sofrer transformações. Além disso, o alinhamento das fibras fica alterado, ocorrem micro rupturas e desgaste do tecido. Sendo assim, o nome tendinopatia é o mais correto.

A tendinopatia se refere ao quadro mais amplo da lesão e não só da inflamação. Trata-se de todas as alterações que o tecido sofre por conta da sobrecarga do tendão. Pela tendinite ser a fase inicial da tendinopatia, os fatores de risco, prevenção e tratamento das duas patologias são os mesmos. Segundo o estudo “Etiology and Epidemiology of Achilles Tendon Problems”, quando se trata de dor no tendão de Aquiles, 55% dos casos são de tendinopatia.

A inflamação no tendão pode ocorrer em duas regiões e, dependendo do local atingido, o nome pode ser diferente. A Tendinopatia de corpo de tendão ocorre exatamente no corpo do tendão, por excesso de tração no meio do tecido. E a Tendinopatia de inserção, acontece devido a um excesso de compressão no tendão calcâneo.

Inflamação no tendão de Aquiles.

Inflamação no tendão de Aquiles

 

CAUSAS

O excesso de carga e os treinos muito intensos aumentam a tração no tendão e, por isso, são classificados como os principais causadores da tendinite de calcâneo. Quando essa tensão é maior que a capacidade do tendão, o estresse ocasiona micro lesões. Caso o tempo de recuperação for menor que o necessário, as lesões podem aumentar e provocar uma inflamação maior.

– Arco do pé: o arco longitudinal do pé tem a função de amortecer a pisada. Portanto, um pé chato ou cavo terá maior dificuldade em amortecer as cargas nos pés. Essa sobrecarga pode dificultar o trabalho do tendão, deixando-o mais exposto a lesões;

– Atividades Físicas: realizar movimentos que exijam muito da panturrilha pode sobrecarregar o tendão e, consequentemente, ocasionar dores na região. Praticar corridas em terrenos irregulares ou exercícios como o vôlei, por exemplo, forçam muito a panturrilha e, sem uma boa preparação, a chance de as lesões aparecerem aumenta significativamente;

– Desalinhamento da pisada: alterações da pisada, como a pisada pronada (em que o tornozelo desvia para o lado de dentro) ou supinada (situação em que o tornozelo desvia para o lado de fora) podem levar à dor. Quando o tornozelo desalinha, a força exercida no tendão de Aquiles sofre alterações. Dessa forma, a tração sobre o músculo não fica mais alinhada às fibras do tecido, causando má distribuição e provocando lesões;

– Fraqueza muscular: com a musculatura da panturrilha flácida e sem força de contração necessária para suportar as trações durante os movimentos, o tendão fica sobrecarregado. A sobrecarga ocorre porque o tendão fica responsável por suprir o déficit muscular, tendo que aguentar mais tração;

– Encurtamento muscular: diversos fatores podem levar ao encurtamento da musculatura, como o uso contínuo de salto alto, já que ele mantém a panturrilha contraída constantemente. Algumas doenças neuromusculares também podem aumentar a contração da musculatura, levando a uma rigidez muscular anormal (hipertonia). Dessa forma, a tensão no tendão é aumentada quando se tenta ficar em pé com os calcanhares encostados no chão;

– Sobrepeso: um dos principais causadores da dor no tendão de Aquiles é o ganho rápido de peso. Esse tecido segura o nosso corpo ereto sobre os pés, realizando a tração para que ele não desabe para frente. Quando há um aumento de peso, o tendão fica sobrecarregado, por ter que realizar maior tração.

 

COMO DIAGNOSTICAR A TENDINITE DE CALCÂNEO

Para diagnosticar a tendinite de calcâneo procure um especialista, pois ele irá examinar o local de dor e identificar se há inflamação local, espessamento do tendão ou alteração da sensibilidade dos tendões. Os pés também devem ser examinados durante o caminhar pois as alterações da pisada, como a supinação e pronação excessiva, assim como altura de arco, podem desencadear a tendinite de calcâneo.

Existem alguns testes que podem ser realizados para identificar se o tendão é o responsável pela dor:

1) Ficar na ponta dos pés repetidas vezes, com uma perna de cada vez. É normal que uma pessoa consiga fazer por volta de 10 a 15 repetições com cada perna e sem sentir dor. Compare as duas pernas para ver se há incômodo ou uma dificuldade discrepante entre elas;

2) Saltitar por algumas vezes em uma perna só ou na ponta do pé. Caso a dor exista, o tendão pode ser um dos responsáveis de seu aparecimento.

 

SINAIS E SINTOMAS

A dor da tendinite de calcâneo pode ser aguda (início súbito) e, normalmente, aparecer após as atividades físicas. Mas ela também pode ser crônica e, neste caso, a dor é continua e piora no início das atividades. Veja abaixo outros sintomas associados a essa lesão:

– Rigidez e dor na musculatura da panturrilha;

– Dor na palpação da panturrilha e do tendão;

– Dor na região posterior do calcanhar;

– Perda de força do tríceps sural (músculo da panturrilha);

– Dor intensa ao alongar o tendão (levar a ponta do pé de encontro a canela);

– Dor no tendão ou na panturrilha ao fica na ponta do pé;

– Redução na movimentação do tornozelo devido a dor.

Nos casos crônicos (tendinopatia) e sem tratamento, pode ocorrer a ruptura total do tendão, doença conhecida como “síndrome da pedrada”, pois a pessoa sente como se tivesse sido atingido por uma pedra no calcanhar. Esses casos são graves e, normalmente, tratados cirurgicamente. Nos casos de ruptura do tendão, é comum apresentar dificuldades para ficar em pé.

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

Para prevenir o aparecimento da tendinite de calcâneo, deve-se evitar fatores de risco, como por exemplo, a alta quantidade de carga dos treinos e o uso de calçados inadequados (que não amortecem o impacto de acordo com a atividade física), além de:

Alongamentos
Alongar a região posterior da perna ajuda a melhorar a elasticidade dos músculos da panturrilha, diminuindo a tensão sobre o tendão. Algumas pessoas podem entender que o alongamento é levar as articulações ao extremo, como bailarinos, mas isso não é indicado. O alongamento deve ser realizado para manter a amplitude de movimento dentro dos parâmetros normais, sem bloqueio da musculatura;

Fortalecimento
Manter a força e a flexibilidade da musculatura é fundamental para prevenir a sobrecarga no tendão. É importante que o fortalecimento seja realizado de forma gradual, aumentando aos poucos a carga e a intensidade. Dessa forma, evite estressar o tendão, que muitas vezes é tensionado por conta de atividades iniciadas repentinamente;

Gelo
A aplicação de gelo para controlar as inflamações é uma técnica muito conhecida. A queda de temperatura que o gelo fornece à região diminui a velocidade de transmissão dos nervos de sensibilidade, diminuindo a dor. Os vasos sanguíneos da região também sofrem modificação pois eles contraem. Dessa forma, controla-se a inflamação pela diminuição do metabolismo local;

Diminuir carga
Durante a fase aguda da inflamação, reduzir a quantidade de exercício é importante para favorecer a recuperação corporal. Deve-se adaptar as atividades do dia a dia, evitando escadas, atividade com pulo ou que exijam a posição sobre a ponta dos pés. As atividades físicas também podem ser trocadas para evitar a sobrecarga. Prefira a natação ou Pilates ao invés de esportes como vôlei e corrida, que são esportes de alto impacto;

Órteses
O uso de palmilhas ajuda a retirar a sobrecarga do tendão através de uma pequena elevação do calcanhar, que desloca o centro de massa do corpo para frente. Outro aparelho ortopédico bastante utilizado é a tala noturna, que mantem o posicionamento correto dos pés durante a noite, alongando a musculatura da panturrilha.

Fisioterapia
Além de detectar exatamente o motivo da inflamação, o fisioterapeuta possui vários recursos que podem ser utilizados para a melhora da dor. Com um tratamento mais preciso, a volta às atividades diárias será mais rápida e o risco de a lesão reaparecer diminui. Veja abaixo alguns dos recursos mais utilizados pelos fisioterapeutas para as dores no tendão de Aquiles:

Laser de baixa potência: é um aparelho indolor não invasivo. Ele ajuda a reorganizar o metabolismo das células de inflamação, melhorando a cicatrização do tecido;

Ondas de choque: assim como o laser, esse aparelho também irá estimular o reparo do tecido de forma mais organizada. A diferença é que esse equipamento emite ondas de som e há a sensação de vibração;

Dry needling: é o famoso agulhamento a seco. Nesse procedimento são utilizadas agulhas de acupuntura para realizar pequenas incisões no tendão. O objetivo é estimular o processo de recuperação do tecido.

Exercícios
As atividades podem ser realizadas em casa. Porém, o fisioterapeuta ajudará a encontrar os melhores exercícios de acordo com o estágio de sua dor. Para o tratamento de tendinopatia, os exercícios excêntricos são os que apresentam melhores resultados, e eles proporcionam aumento do comprimento muscular, na medida em que os movimentos vão sendo realizados;

Exercícios de equilíbrio: são os chamados treinos de propriocepção. Realiza-se exercícios para melhorar o posicionamento das articulações durante um determinado movimento.

Consultar um médico
Em caso de dores fortes e constantes, o médico poderá pedir exames complementares para descartar lesões mais graves na região. Além disso, ele pode indicar outros procedimentos como:

Medicamentos: o uso de anti-inflamatórios e analgésicos orais para ajudar a conter a inflamação e a dor;

Infiltração: injeção de substância com medicamentos no locar da dor. Normalmente, utiliza-se analgésicos e anti-inflamatórios para a contenção de dores persistentes.

As inflamações no tendão de calcâneo, geralmente, melhoram e reaparecem depois de algum tempo. Isso pode acontecer por conta de algumas horas a mais em pé ou o uso de um sapato inadequado que levou à sobrecarga do tecido. Por isso, essa inflamação é vista como de difícil resolução.

Para solucionar o desconforto e eliminar as dores, é importante não retornar à atividade física intensa antes do final do tratamento. É muito comum que as pessoas comecem a sentir melhora do quadro de dor e voltem à atividade esportiva precocemente. Porém, isso pode não solucionar o problema e pior: estimula o agravamento.

 

PALMILHAS PÉS SEM DOR® PARA TENDINITE DE CALCÂNEO

A palmilha Pés Sem Dor desloca suavemente o centro de massa da pessoa para frente, com uma elevação na região posterior do pé. Sendo assim, o músculo tríceps sural (panturrilha) fica menos distendido, tracionando menos o tendão. Isso reduzirá a carga sobre o tendão e diminuirá a inflamação e a dor.

Para que a parte da frente do pé não fique sobrecarregada, um bom apoio do arco plantar é importante, com o intuito de distribuir o peso concentrado na região. Para isso, utilizamos o escâner 3D, que fornece as medidas exatas para o suporte do arco. Com as palmilhas personalizadas, os pés se adaptarão melhor ao calçado e terão muito mais conforto.

Além disso, a palmilha corrige os desalinhamentos de pisada, caso seja necessário, através das cunhas laterais no calcanhar. Para se saber a necessidade de correção do alinhamento de pisada, é necessário que se realize um exame chamado baropodometria. O aparelho utilizado durante a avaliação na Pés Sem Dor é capaz de detectar o desvio e os maiores pontos de pressão nos pés, para que eles também sejam corrigidos.

Palmilha Pés Sem Dor

Palmilhas sob medida Pés Sem Dor

 

CIRURGIA

Nos casos mais graves, em que o tratamento conservador (de no mínimo seis meses) não foi efetivo, pode-se optar por uma cirurgia para retirar as partes degeneradas e melhorar a vascularização do tecido. Esses casos, geralmente, são muito complicados e a recuperação pós-cirúrgica é muito demorada e dolorosa. Além disso, não há certeza de resolução do problema. Quando o quadro se agrava a ponto de ocorrer o rompimento do tendão, a cirurgia é aconselhável para reconstruí-lo porque, normalmente, o tratamento conservador apresenta resultados insatisfatórios.

 

CALÇADOS

É muito comum que os calçados ocasionem dores na região do tendão de Aquiles. Principalmente em mulheres, principalmente pela utilização dos sapatos de salto alto. Ele modifica totalmente a biomecânica do corpo, diminuindo a estabilidade durante a caminhada e acarretando em encurtamento do músculo da panturrilha nas pessoas que o utilizam constantemente. Tais fatores sobrecarregam o tendão de Aquiles, podendo levar a dor.

 

ESPORTES

Dores no tendão por conta de esportes são muito comuns, sobretudo em atletas que fazem atividades com muito salto e corrida. Nesses dois casos, sentir dor no tendão de Aquiles não é algo raro, muito por conta da sobrecarga sopre a musculatura da panturrilha. Na verdade, tem quem acredite que sentir dores durante o treino físico é saudável, e continuam realizando as atividades mesmo com desconfortos. Porém, manter o ritmo quando o seu corpo já apresenta sinais de lesão podem intensificar as lesões no tendão e nas articulações.

Caso a dor seja tratada com rapidez, pode não ser necessário suspender a prática de esportes e atividades físicas. Durante a fase de recuperação, o recomendado é se precaver e seguir algumas instruções, como: reduzir a quantidade de treino, ir atrás de um especialista que trabalhe na correção dos movimentos, usar calçados certos e feitos especificamente para a prática de exercícios, além de utilizar palmilhas que alinhem a pisada. Orientações simples como estas, quando seguidas, podem ajudar e muito a tratar e prevenir a progressão da doença.

 

DICAS E CURIOSIDADES

Veja abaixo condutas simples para aliviar as dores, que podem ser feitas tranquilamente em casa:

– Alongar as panturrilhas por um minuto, duas vezes ao dia;

– Aplicar gelo no local da dor: para isso, pode-se utilizar uma bolsa ou colocar o pé em um balde com água e gelo. Essa prática controla a dor e a inflamação causada pela tendinite;

– Fortalecer a panturrilha: ficar na ponta dos pés com ambos os pés e descer devagar se apoiando somente em um dos pés. Fazer 3 séries de 10 repetições com cada pé;

– Massagear as panturrilhas pode reduzir a tensão no tendão e aliviar as dores musculares.