Hálux rígido

é mestre em fisioterapia esportiva pela Universidade de Queensland – Austrália. Fisioterapeuta formado pela Universidade de São Paulo (USP). Ele é Diretor de Fisioterapia na Pés Sem Dor, ministra cursos no Grupo Terapia Manual e gosta de praticar corrida. Profissional com registro no crefito: 162983-F

Você pode encontrar Mateus Martinez no Youtube e Linkedin

O hálux rígido é o nome dado à artrose da articulação metatarsofalangeana, responsável por conectar o dedão (hálux) ao pé. De acordo com o estudo “Hallux Rigidus”, essa doença resulta na perda de movimento do dedão, deixando-o rígido e dolorido. Essa patologia é a forma mais comum de artrose do pé e tornozelo. Normalmente os sintomas começam após os 50 anos de idade (geralmente nos dois pés), e a patologia pode ter relação com antecedentes familiares, traumas e atividades físicas muito intensas durante a vida.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Blog-09-Hálux-Rígido-1.jpg

A artrose é uma doença degenerativa e progressiva que causa o desgaste da cartilagem (responsável por diminuir o atrito ósseo) que recobre a superfície dos ossos. Com a evolução da doença, as dores aumentam e o movimento diminui gradativamente, podendo chegar ao bloqueio do movimento do dedão. Diferentemente do joanete, no hálux rígido, normalmente, não existe desvio do dedão para cima dos outros dedos.

O tratamento sempre se inicia de forma conservadora e pode ajudar em qualquer estágio. Porém, com o passar do tempo e com a evolução da doença, a cirurgia pode ser necessária.

CAUSAS

A osteoartrose, de maneira geral, pode se desenvolver com algumas doenças sistêmicas, como a artrite reumatóide, gota e alterações genéticas. Além disso, no caso do hálux rígido, a doença pode estar ligar a outros fatores, como:

Traumas locais que podem ocorrer ao longo da vida e afetar a articulação ou a cartilagem, acelerando o processo de degeneração;

Pronação excessiva e/ou pé plano, que sobrecarregará a parte mais medial do pé, onde está o dedão;

Variações anatômicas como: primeiro metatarso longo ou elevado, e hipermobilidade.

SINAIS E SINTOMAS

Inicialmente o paciente começa a sentir incômodo em atividades que antes não incomodavam. Ocorrem problemas com calçados mais moles e é sentida uma leve rigidez que piora no frio. E, com o agravamento da patologia, é possível notar também:

Inchaço, vermelhidão e dor na região, mesmo em repouso;

Alteração do modo de andar, tirando o apoio dessa região e sobrecarregando outras;

Rigidez severa ou perda de movimento do dedão;

Dificuldade em encontrar calçados que não incomodem.

Os sinais e sintomas intensificam de acordo com o estágio da degeneração e o hálux rígido pode ser classificado (segundo Kravitz) em quatro estágios:

Ilustração mostrando os quatro estágios do hálux rígido
Os quatro estágio do Hálux Rígido .

– Estágio I: limitação funcional, sem alterações radiográficas;

– Estágio II: adaptação articular inicial, com osteófitos dorsais;

– Estágio III: osteoartrose estabelecida;

– Estágio IV: anquilose, fusão articular.

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

Por ser uma patologia degenerativa e progressiva, quanto mais cedo o paciente procurar tratamento, mais lenta será a evolução da doença e menos sintomas aparecerão, postergando, assim, um processo cirúrgico.

Intervenções com os melhores resultados:

Diminuição das atividades que possam acelerar o avanço da doença, como corrida e saltos;

Adaptação para calçados que reduzam os movimentos do dedão;

Fisioterapia, que reduzirá os sintomas e melhorará a estabilidade da articulação;

Uso das palmilhas Pés Sem Dor.

PALMILHAS PÉS SEM DOR® PARA HÁLUX RÍGIDO

A palmilha Pés Sem Dor acomoda o arco, o pé e o hálux, promovendo mais conforto ao caminhar e dando maior estabilidade no passo. Dessa forma, a primeira articulação metatarsofalangeana (local do desgaste) é menos sobrecarregada e se movimenta menos, aliviando os sintomas. Além disso, a palmilha possui um amortecedor na região do hálux, o que permite maior mobilidade dele e maior conforto.

Imagem ilustrativa das palmilhas ortopédicas Pés Sem Dor

Palmilhas de fibra de carbono

Por serem feitas de um material forte e não maleável, as palmilhas Pés Sem Dor de fibra de carbono são recomendadas para alguns casos onde é necessária uma restrição da movimentação dos pés. A fibra de carbono é tecnologia usada nas mais modernas aeronaves e carros de fórmula 1 e as palmilhas produzidas com esse material são leves e finas (4mm de espessura), ideais para maior parte dos calçados brasileiros.

CIRURGIA

Existem alguns tipos de cirurgias que podem ser feitas para esses casos e as mais utilizadas são:

Artrodese da articulação: é a mais utilizada e consiste em fixar a articulação, parafusando um osso no outro. Nesse tipo de cirurgia, a dor diminuirá ou desaparecerá, mas o paciente perderá os movimentos do dedo;

Ilustração de como é feita a cirurgia de artrodese.
Cirurgia de artrodese.

Osteotomias: consiste em retirar as partes dos ossos que estão bloqueando e diminuindo o espaço da articulação;

Ilustração da osteotomia.
Osteotomia para retirada de partes ósseas

Artroplastia: ainda pouco utilizada, consiste na substituição da cartilagem.

DICAS E CURIOSIDADES

Para aliviar a dor do hálux rígido:

Submersão em balde de água com gelo para alívio da dor e controle da inflamação. Nunca ultrapassar 20 minutos de aplicação;

Remédios, com prescrição médica, ajudam a diminuir os sintomas;

Sapatos com solados mais rígidos, que diminuem a sobrecarga da articulação afetada. Isso porque fazem o pé andar como um bloco, não sobrecarregando o dedão.

Em casos específicos nos quais a movimentação do dedão contribui para o agravamento dos incômodos do hálux rígido, o uso de palmilhas produzidas a partir de fibras de carbono pode ajudar no alívio das dores.

LINKS EXTERNOS

1) Hallux rigidus | Clínica e Cirurgia do Pé

2) Foot Ankle Info: Hallux Rigidus | Foot Health Facts

3) Conditions: Hallus Rigidus | American Orthopeadic Foot & Ankle Society

4) Foot or Ankle: A Patient’s Guide to Hallux Rigidus | Methodist Orthopedics

5) Hállus Rígidus: Estudo prospectivo da substituição articulas com hemiartroplastia | Scielo