Início » Dores » Fascite plantar: o que é e como resolver a dor
Última Atualização: 17 de junho de 2024

Fascite plantar: o que é e como resolver a dor

 em

O que é a fascite plantar?

A fascite plantar é a inflamação de um tecido que cobre a sola do pé, desde o calcanhar até os dedos. Esse tecido ajuda a sustentar o arco do pé e a absorver o impacto durante a caminhada.

Esse problema é comum e pode ocorrer devido ao excesso de peso, atividades físicas intensas, uso de calçados inadequados e problemas no arco do pé. A fascite plantar causa dores fortes no calcanhar e no arco do pé, dificultando a caminhada e outras atividades diárias.

Às vezes, a fascite plantar é confundida com o esporão de calcâneo, que é um crescimento ósseo no calcanhar que também causa dor na mesma região. A diferença é que a fascite plantar inflama o tecido da sola do pé, enquanto o esporão é um crescimento ósseo que pode causar inflamação ao redor.

Imagem ilustrativa sobre a fascite plantar e qual o ponto de inflamação nos pés

Uma pesquisa da Pés Sem Dor, chamada “Saúde e qualidade de vida: A relação com os pés, tornozelos e joelhos”, mostra que a dor no arco do pé é uma das maiores queixas da população, especialmente entre as mulheres, que sofrem mais com isso devido ao uso de salto alto.

Causas da fascite plantar

As causas da fascite plantar podem ser diversas, vejamos:

  • Sobrepeso: O excesso de peso é uma das principais causas da fascite plantar, pois os pés ficam sobrecarregados ao sustentar o corpo.

  • Idade: A fascite plantar é mais comum em pessoas de 40 a 60 anos devido ao desgaste natural dos pés.

  • Atividades de alto impacto: Ficar muito tempo em pé, caminhar muito ou praticar esportes que exigem muito dos pés pode causar estresse repetitivo, aumentando o risco de fascite.

  • Problemas no arco do pé: Ter pés muito planos (pé chato) ou muito curvados (pé cavo) pode fazer com que o tecido da sola do pé fique sob constante estresse.

  • Calçados inadequados: Sapatos com pouco amortecimento ou muito apertados podem prejudicar a posição dos pés e a absorção de impactos.

Desalinhamentos ao caminhar

  • Pisada supinada: Quando o tornozelo se desalinha para fora ao caminhar, a pressão se concentra na parte lateral dos pés, sobrecarregando o tecido da sola do pé.

  • Pisada pronada: O tornozelo se move para dentro, aumentando a pressão na parte interna dos pés e sobrecarregando o tecido da sola do pé.

  • Pisada neutra: O tornozelo e o pé estão alinhados, permitindo uma distribuição adequada da pressão e evitando sobrecargas.

Tipos de pés

  • Pé neutro: Tem um arco de altura média, distribuindo bem a carga e absorvendo o impacto.

  • Pé cavo: Tem um arco muito alto, com uma área de apoio menor. A pressão se concentra nos dedos e no calcanhar, e o tecido da sola do pé fica tenso, facilitando a inflamação.

  • Pé chato: Tem um arco muito baixo, com quase toda a sola do pé em contato com o chão. Isso reduz a capacidade de absorver a carga, sobrecarregando o tecido da sola do pé e facilitando a inflamação.

Dores no calcanhar

Muitas pessoas com fascite plantar reclamam de dores no calcanhar. A fascite plantar é uma das causas mais comuns de dores no calcanhar, caracterizada por uma inflamação na faixa de tecido que liga o calcanhar aos dedos dos pés. As dores no calcanhar podem variar de leves a incapacitantes, impactando significativamente a qualidade de vida e a capacidade de realizar atividades diárias. Para saber mais sobre dores no calcanhar, clique aqui
 

Dor na sola do pé

Outras pessoas costumam reclamar de dor na sola do pé, muitas vezes sem saber que a causa pode ser a fascite plantar. A fascite afeta o tecido que liga o calcanhar aos dedos dos pés, resultando em dores intensas tanto na sola do pé quanto no calcanhar. Essa condição é comum e pode variar de um desconforto leve a uma dor incapacitante. Para saber mais sobre dor na sola do pé, clique aqui

Sintomas da fascite plantar

Os sintomas da fascite plantar mais comuns são as dores, que podem aparecer no calcanhar ou no arco do pé. A dor é mais intensa depois de longos períodos de descanso, especialmente ao acordar, porque ao pisar no chão pela primeira vez, o tecido da sola do pé se estica rapidamente, causando dor.

A dor geralmente melhora com a movimentação, mas atividades que forçam muito os pés podem fazer a dor voltar. Exercícios de alto impacto e trabalhos que exigem ficar muito tempo em pé podem causar desconforto e dor depois de um tempo. Segundo o estudo “Plantar heel pain and plantar fasciitis“, pessoas com fascite plantar podem ter limitações significativas em suas atividades diárias por causa da dor. 

Prevenção da fascite plantar

A prevenção da fascite plantar envolve medidas simples e eficazes que podem ser incorporadas ao dia a dia. Usar calçados adequados com bom suporte ao arco e amortecimento é fundamental. Alongamentos regulares dos músculos da panturrilha e da fáscia plantar ajudam a manter a flexibilidade e a evitar a tensão excessiva. Manter um peso saudável reduz a carga sobre os pés, diminuindo o risco de inflamação. Além disso, evitar atividades que sobrecarreguem os pés, especialmente em superfícies duras são essenciais para a prevenção da fascite plantar. Incorporar essas práticas no cotidiano mantém a saúde dos pés e evitar dores e desconfortos futuros.

Diagnóstico de fascite plantar 

O diagnóstico de fascite plantar geralmente começa com uma avaliação detalhada realizada por um profissional de saúde. Ele examinará a história médica do paciente e fará perguntas sobre os sintomas, como a localização e a intensidade da dor, para um diagnóstico de fascite plantar. Durante o exame físico, o especialista avaliará a sensibilidade na sola do pé e no calcanhar, além de verificar a amplitude de movimento e os pontos de dor, confirmando o diagnóstico de fascite plantar. Em alguns casos, exames de imagem, como radiografias ou ressonância magnética, podem ser solicitados para descartar outras condições, como fraturas por estresse ou esporão do calcâneo, garantindo um diagnóstico de fascite plantar preciso e eficaz.

Como tratar a fascite plantar

O tratamento ideal da fascite plantar depende da dor de cada pessoa. Um diagnóstico correto é essencial para escolher a melhor opção. Procurar um especialista é fundamental para descobrir e tratar a causa da dor. Aqui estão alguns tratamentos comuns e maneiras de prevenir a fascite plantar:

  • Manter um peso adequado: O aumento de peso sobrecarrega os pés, aumentando o risco de dor. Manter um peso saudável ajuda a reduzir essa sobrecarga.

  • Corrigir a pisada: Ajustar a maneira como você pisa pode ser feito com exercícios específicos para os pés, tornozelos e joelhos. Palmilhas personalizadas também podem ajudar a corrigir a pisada.

  • Palmilhas ortopédicas: Palmilhas personalizadas ajudam a redistribuir a carga e suportar o arco do pé, aliviando a tensão na fáscia plantar.

  • Bandagem funcional: Aplicar fitas elásticas ou inelásticas para estabilizar e proteger os pés sem limitar os movimentos. É eficaz e permite que você continue com suas atividades diárias.

  • Acupuntura e agulhamento a seco: Técnicas que usam agulhas finas para controlar a dor e estimular a recuperação do tecido da fáscia plantar.

  • Terapia manual: Massagens e alongamentos ajudam a relaxar e reposicionar a fáscia plantar, aliviando a dor.

  • Tala noturna: Indicada para quem sente dor ao acordar. Mantém os pés em posição neutra durante a noite, evitando o desconforto matinal.

  • Calçados adequados: Usar sapatos com bom amortecimento e suporte adequado ajuda a absorver o impacto e reduzir o estresse na fáscia plantar.

  • Anti-inflamatórios: Prescritos por um médico, ajudam a controlar a dor e a inflamação. Devem ser usados em conjunto com outros tratamentos para abordar a causa do problema.

Palmilhas ortopédicas para fascite plantar

As palmilhas ortopédicas para fascite plantar são uma solução eficaz para o tratamento, proporcionando suporte e alívio da dor. Projetadas sob medida para cada indivíduo, essas palmilhas ajudam a redistribuir a pressão ao caminhar, reduzir a tensão na fáscia plantar e melhorar a biomecânica dos pés. Com o uso regular, as palmilhas ortopédicas para fascite plantar podem corrigir problemas de pisada, diminuir a inflamação e prevenir o agravamento da condição. Elas são uma opção não invasiva que, além de oferecer conforto, promove a recuperação e permite que os pacientes retomem suas atividades diárias sem dor.

Nossas palmilhas feitas sob medida pela Pés Sem Dor são projetadas para apoiar o arco do pé, realinhar a fáscia e evitar sobrecargas. Se você tem pé cavo, nossos produtos aumentam a área de contato do pé, redistribuindo a pressão e melhorando o amortecimento. Para quem tem pé chato, oferecemos suporte adequado ao arco e aliviamos a carga da fáscia plantar. Utilizamos tecnologia 3D e precisão digital milimétrica, após uma avaliação gratuita dos seus pés, tornozelos e joelhos com nossos especialistas na Pés Sem Dor. Para saber mais sobre palmilhas ortopédicas para fascite, clique aqui

Palmilha sob medida Pés em Dor para fascite plantar

Palmilha Sob Medida Pés Sem Dor Tradicional

 

Calçados para fascite plantar

Os calçados são feitos em tamanho padrão e não levam em consideração as individualidades de cada pé. Por isso, na hora de escolher calçados para fascite plantar, é importante ter em mente dois fatores: amortecimento e conforto. O solado dos calçados para fascite plantar não deve ser muito rígido, pois precisa permitir a mobilidade dos pés durante a caminhada. Além disso, os sapatos precisam auxiliar no amortecimento de parte dos impactos impostos nos pés. Ou seja, calçados com solado muito fino e de salto alto devem ser evitados.

Para garantir o conforto, o ideal é que seus sapatos possuem sempre uma “folga” (de um a 1,5cm de comprimento), para que seus pés não sejam comprimidos durante a sua movimentação no dia a dia. Caso seu trabalho ou atividade física exija maior esforço dos pés, opte por sapatos com amortecedores. No entanto, a melhor opção seria comprar calçados feitos sob medida. 

Fascite plantar em corredores

Os corredores estão sempre suscetíveis a lesões, já que exigem bastante de suas pernas, pés e tornozelos. Se essas lesões não forem tratadas adequadamente, podem levar a uma longa recuperação, afastando o atleta do esporte por mais tempo do que o desejado.

Os maratonistas são os mais afetados por esse tipo de lesão. Como correm longas distâncias, têm uma chance considerável de desenvolver fascite plantar devido ao desgaste excessivo da fáscia plantar, que pode levar à inflamação. Algumas medidas podem ajudar a prevenir a dor. Aqui estão algumas dicas:

  • Faça um aquecimento antes da corrida;
  • Escolha superfícies planas para correr, pois elas colocam menos pressão na fáscia plantar;
  • Respeite seus limites! Se estiver com dor, pare as atividades. A dor é um sinal de alerta do corpo de que algo não está certo.

Para corredores, prestar atenção ao tipo de pisada é crucial. As pisadas supinadas ou pronadas podem prejudicar sua corrida. Faça um teste de baropodometria em movimento para verificar se há alguma alteração na sua pisada.

Atividades de baixa intensidade

Se você pratica esportes ou atividades que impactam seus pés, é recomendável reduzir a frequência e a intensidade ou optar por atividades que não sobrecarreguem seus pés. Aqui estão algumas opções:

  • Musculação: Além de ganhar massa muscular, a musculação pode melhorar sua saúde cardiovascular, ajudar no bem-estar emocional devido à liberação de endorfina e fortalecer a musculatura das costas, melhorando a postura e reduzindo dores nas costas.

  • Pilates: Um método de exercício que fortalece, estabiliza e melhora a mobilidade articular, sendo acessível a pessoas de todas as idades. Os movimentos suaves e contínuos redistribuem a carga nos pés, aliviando as dores.

Embaixo d’água

  • Deep running: Uma corrida feita debaixo d’água que não gera impacto nos pés. Pode ser praticada por qualquer pessoa, incluindo gestantes, idosos e pessoas com lesões. Os exercícios corrigem a postura, treinam as pernas e os pés com intensidades variadas e ajudam na perda de peso.

  • Natação: Indicada para a recuperação de lesões, pois trabalha os músculos sem impacto na região do pé lesionada. Melhora a circulação sanguínea, fortalece o sistema cardiorrespiratório e é recomendada para todas as idades, especialmente durante a gravidez ou na terceira idade.

Tratamentos caseiros para fascite plantar

  • Aplicação de gelo: O gelo é excelente para reduzir a inflamação e a dor. Use uma bolsa de gelo ou uma garrafa congelada na área dolorida por 15 a 20 minutos, duas vezes ao dia.

  •   para fascite plantar: A musculatura da panturrilha está diretamente ligada à fáscia e seu encurtamento pode desencadear a fascite plantar. Para fazer alongamento fascite plantar coloque uma toalha ou faixa rígida na ponta do pé e puxe em sua direção, sentindo o músculo da panturrilha se esticar. Mantenha a posição por 30 segundos e solte. Repita o movimento três vezes ao dia.

Exercícios para alívio da fascite plantar

 

Exercícios para aliviar a dor da fascite plantar

  • Fortalecimento da panturrilha: Em um degrau, posicione-se com os calcanhares para fora. Eleve seu corpo nas pontas dos pés e lentamente desça até que os calcanhares se alinhem com a borda do degrau. Faça 3 séries de 15 repetições, uma vez ao dia. Quando se tornar fácil, faça o movimento com todo o peso em apenas um dos pés.

Exercício para a panturrilha para melhorar a dor da fascite plantar

  • Fortalecimento dos músculos do pé: Coloque uma toalha fina sobre o chão e posicione o pé sobre ela. Tente pegar a toalha com os dedos, enrugando-a. Faça 3 séries de 15 repetições, três vezes por semana.

Exercício com toalha para aliviar a dor da fascite plantar

  • Massagem para a fáscia: Ajuda a aliviar a tensão na região plantar. Coloque os polegares no meio da planta do pé e, aplicando pressão, deslize-os em direção aos dedos e depois em direção ao calcanhar. Faça os movimentos por 30 segundos e repita no outro pé. Algumas dicas caseiras sugerem o uso de óleo de mamona, alecrim ou outras plantas naturais para melhorar o tratamento, mas é importante lembrar que essas práticas não têm comprovação científica.

Cirurgia da fascite plantar 

A cirurgia para fascite plantar é recomendada quando os tratamentos conservadores como fisioterapia, palmilhas ortopédicas e medicamentos anti-inflamatórios não têm sucesso após um período mínimo de 6 a 12 meses. Se a dor persiste e afeta significativamente a qualidade de vida e a capacidade de realizar atividades diárias, a intervenção cirúrgica pode ser considerada, e geralmente envolve a liberação parcial da fáscia plantar para reduzir a tensão e a inflamação. Este procedimento é realizado com técnicas mínimamente invasivas e pode proporcionar um alívio significativo da dor, melhorando a qualidade de vida do paciente. 

Perguntas Frequentes

Palmilha para fascite plantar funciona?

Sim, as palmilhas podem ser eficazes no tratamento da fascite plantar. Elas são projetadas para fornecer suporte adicional ao arco do pé, redistribuir a pressão e amortecer o impacto durante a caminhada, ajudando a reduzir a tensão na fáscia plantar. As palmilhas personalizadas, especialmente feitas para se adequar à anatomia única de cada pé, podem ser ainda mais eficazes, proporcionando um ajuste preciso e maior conforto.  

O que desencadeia a fascite plantar?

A fascite plantar pode ser desencadeada por diversos fatores, como o excesso de peso, atividades de alto impacto, uso de calçados inadequados, alterações no arco plantar, sobrecarga nos pés e tensão muscular.

Como curar fascite plantar rápido?

Não há uma cura rápida para a fascite plantar, mas é possível aliviar os sintomas e promover a recuperação através de medidas como repouso, aplicação de gelo, uso de palmilhas ortopédicas, alongamentos, fortalecimento muscular, fisioterapia e, em casos mais graves, procedimentos médicos como infiltrações ou cirurgia.

Quanto tempo dura uma crise de fascite plantar?

O tempo de duração de uma crise de fascite plantar pode variar de acordo com a gravidade da lesão, o tratamento realizado e a resposta individual. Em geral, as crises agudas podem durar algumas semanas a meses, enquanto casos mais persistentes podem levar meses para se resolverem completamente.

Qual é o melhor Anti-inflamatório para fascite plantar?

O uso de anti-inflamatórios para o tratamento da fascite plantar deve ser feito sob orientação médica. Medicamentos como ibuprofeno, naproxeno ou diclofenaco podem ser prescritos para ajudar a reduzir a inflamação e aliviar a dor, mas é importante seguir as recomendações do médico quanto à dosagem e duração do tratamento, pois o uso prolongado de anti-inflamatórios pode causar efeitos colaterais adversos.

Quem tem fascite plantar precisa fazer cirurgia?

Em casos mais extremos, pode-se indicar a cirurgia da fáscia. O procedimento consiste em romper uma parte da fáscia plantar com o objetivo de liberar o tecido e diminuir a tensão sobre ele. Devido a sua complexidade e riscos, só é indicada quando o tratamento conservador não surtiu efeito ou se houver ruptura prévia da fáscia.

O que é fascite plantar crônica?

A fascite plantar crônica é uma inflamação persistente da fáscia plantar, o tecido que conecta o calcanhar aos dedos dos pés, causando dor prolongada e desconforto que pode durar meses ou até anos, se não for tratada adequadamente.

Quais são as opções de reabilitação para a fascite plantar?

A reabilitação da fascite plantar inclui uma combinação de tratamentos como fisioterapia, exercícios de alongamento e fortalecimento, uso de palmilhas ortopédicas, terapias com gelo e calor, massagem, e, em alguns casos, injeções de corticosteroides ou terapia extracorpórea por ondas de choque (ESWT).

Quem tem fascite plantar pode trabalhar em pé?

Quem tem fascite plantar pode trabalhar em pé, mas deve tomar precauções para evitar o agravamento da condição. É recomendável usar calçados adequados com bom suporte, fazer pausas regulares para descansar os pés, usar palmilhas ortopédicas personalizadas e realizar exercícios de alongamento para aliviar a tensão na fáscia plantar. Consultar um profissional de saúde para orientações específicas é essencial.

Como adquirir um sapato ou palmilha sob medida?

É rápido e fácil! Para adquirir seu sapato ou palmilha sob medida, agende uma avaliação gratuita dos seus pés com nossos especialistas, em uma das nossas unidades espalhadas pelo Brasil. Ligue ou mande um WhatsApp para 4003-8883 ou acesse: www.pessemdor.com.br/agendamento.

Em quanto tempo os calçados e palmilhas ficam prontos?

A Pés Sem Dor produz o seu sapato e palmilha sob medida em até 3 dias, e depois disso, eles são enviados de forma gratuita para a sua casa!

A avaliação é gratuita?

Nossa avaliação é totalmente gratuita! Realizamos a análise completa de seus pés e pernas. Você não paga nada por isso!

Aceitamos convênio médico?

Não trabalhamos com convênios, pois a nossa avaliação é totalmente gratuita! Mas você pode verificar com seu plano se eles fazem algum tipo de reembolso em relação aos sapatos!

Mateus Martinez
Mateus Martinez
Atualmente é diretor de fisioterapia da Pés Sem Dor. É mestre em fisioterapia esportiva pela The University of Queensland, Austrália (2015). Especialista em Dry Needling (agulhamento a seco) pela Combined Physio Austrália. Graduado em fisioterapia na USP - Universidade de São Paulo (2011). É professor convidado da pós-graduação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). Foi fisioterapeuta da equipe Vôlei Brasil Kirin (2013) e Medley Campinas (2011-2013). Foi professor de anatomia e patologia básica para curso técnico de radiologia da Escola Profissionalizante CETEP (2012-2013). É co-autor de 6 estudos sobre saúde dos pés, possui mais de 170 artigos escritos sobre saúde dos pés no site da Pés Sem Dor e é criador de conteúdo no canal do Youtube da Pés Sem Dor, onde fala sobre saúde, bem estar e dores nos pés, tornozelos e joelhos para +160 mil inscritos. Profissional com registro no crefito: 162983-F
Postagens Recentes
Agende sua avaliação gratuita
Esporão de calcâneo